Marcello Casal Jr.|Agência Brasil
Marcello Casal Jr.|Agência Brasil

Corrupção investigada na Lava Jato erodiu órgãos públicos, aponta Banco Mundial

Segundo relatório, formuladores de políticas no País foram desarticulados e precisam ser reconstituídos

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

07 Março 2018 | 10h00

BRASÍLIA - Os órgãos que formulam políticas no Brasil foram desarticulados pelos esquemas de corrupção investigados pela operação Lava Jato e precisam ser reconstituídos, avalia o relatório  “Emprego e Crescimento: A Agenda da Produtividade”, divulgado pelo Banco Mundial.

+ Metade dos jovens brasileiros têm futuro ameaçado, alerta Banco Mundial

“Os autos da operação Lava-Jato incluem documentação extensa sobre o funcionamento do sistema de compra direta de decisões relativas a políticas públicas na forma de leis e decretos: o setor de petróleo lançou mão de propinas e outros incentivos para influenciar leis e decretos executivos, obter incentivos fiscais e contornar medidas regulatórias, tais como decisões do CADE contrárias a empresas específicas”, diz o documento.

+ Banco Mundial recomenda revisão de incentivos fiscais e subsídios

Ele cita três problemas a serem atacados numa eventual reformulação das políticas públicas. O primeiro é que os instrumentos de apoio às empresas, quando criados, não dizem exatamente qual falha de mercado pretendem compensar, nem são transparentes quanto aos objetivos de sua implantação. O segundo é que os programas não são avaliados. O terceiro, a falta de coordenação entre os órgãos de governo que os implementam. “A falta de objetivos claros deixa as políticas do governo especialmente vulneráveis a atividades de lobby e à busca por privilégios especiais”, afirma o relatório. Além de mais transparência, ele sugere “um novo arcabouço institucional de diálogo entre o governo e as empresas.”

+ Política do salário mínimo pode ter efeitos negativos no mercado de trabalho, alerta Banco Mundial

Ela aponta também a necessidade de “reduzir e elucidar” os papéis dos diversos órgãos e agências de governo que atuam junto a empresas. “Essa medida deve ser complementada por um foco institucional claro na avaliação de intervenções de políticas, com a missão de rever e se pronunciar sobre todas as medidas executivas e legislativas de apoio à produtividade empresarial.” 

Mais conteúdo sobre:
corrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.