Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Corte de 1,5 ponto da Selic frustra a sociedade, diz CNI

Firjan aprovou decisão do Copom, mas pediu reformas estruturais para garantir maior competitividade

Equipe AE,

11 de março de 2009 | 19h32

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) avaliou que decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de reduzir a taxa Selic em 1,5 ponto porcentual, para 11,25% ao ano, foi contida e "frustra a sociedade, os agentes produtivos e a indústria brasileira". "Esse movimento de aceleração no corte dos juros, ainda que na direção correta, não tem a intensidade necessária ao momento", afirmou o presidente da CNI, Armando Monteiro Neto, em nota enviada à imprensa. Veja também:Selic cai para 11,25%, o menor nível de juro básico do País A evolução da taxa Selic no governo Lula  Para a CNI, o corte de 1,5 ponto "ainda mostra descompasso com o esforço de evitar a recessão e suas consequências danosas ao País, às empresas e ao emprego". "Entendemos que é urgente a adoção de uma postura mais agressiva, com redução de juros compatível com as exigências do momento", defendeu Monteiro Neto, que pediu que a taxa Selic caia para o nível de um dígito "com tempestividade". A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) também divulgou nota comentando a decisão do Copom. A Firjan expressa aprovação ao corte de 1,5 pp na taxa Selic, mas pede avanço nas reformas estruturais para garantir maior competitividade à indústria brasileiras. "A intensificação dos impactos da crise internacional sobre a economia brasileira, somada à trajetória confortável dos índices de inflação, justifica o corte mais acentuado da taxa Selic", diz o texto que, no entanto, "chama atenção para a necessidade de medidas complementares". Além das reformas, em especial a tributária, a entidade lista entre as medidas o aumento do investimento público, principalmente na área de infraestrutura.  Decisão O Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a Selic, a taxa básica de juros da economia, em 1,5 ponto porcentual. Com isso, o juro básico foi para 11,25% ao ano, o menor patamar da história, ainda que já tenha sido verificado em setembro de 2007. É primeira queda dessa magnitude desde 19 de novembro de 2003, quando a Selic caiu de 19% para 17,5% ao ano.  A decisão dos membros do Comitê foi unânime e não inclui viés - mudança de juro antes da próxima reunião do Copom. De acordo com comunicado divulgado ao final da reunião, o Copom "acompanhará as perspectivas para a inflação até a próxima reunião em abril". A ata desta reunião será divulgada no dia 19 de março. A próxima reunião do Copom será em 28 e 29 de abril.  "Avaliando o cenário macroeconômico, o Copom decidiu neste momento reduzir a taxa Selic para 11,25% ao ano, sem viés, por unanimidade. O Comitê acompanhará a evolução da trajetória prospectiva para a inflação até a sua próxima reunião, levando em conta a magnitude e a rapidez do ajuste da taxa básica de juros já implementado e seus efeitos cumulativos, para então definir os próximos passos na sua estratégia de política monetária", diz o comunicado divulgado após a reunião. (Com Nicola Pamplona, da Agência Estado)

Tudo o que sabemos sobre:
SelicCopomCNIFirjan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.