Corte de juro na Grã-Bretanha foi aprovado por 8 a 1, mostra ata

Os diretores do Banco da Inglaterra foram unânimes este mês ao decidirem buscar apoio dentro do governo para adotar medidas de suporte à economia como a compra de ativos, mas o mesmo não aconteceu em relação ao corte do juro, mostrou ata da reunião dos dias 4 e 5 de fevereiro, divulgada nesta quarta-feira. O comitê de política monetária do banco central britânico aprovou o corte de 50 pontos-base da taxa de juro por oito votos a favor e um voto contra. O voto contrário foi proferido por David Blanchflower, que defendeu uma redução bem mais agressiva, de 100 pontos-base. Com o corte de 50 pontos-base, a taxa básica de juro britânica atingiu patamar recorde de baixa de 1 por cento. A ata indica que o BC britânico está pronto para embarcar no processo de adoção de medidas de quantitative easing --quando um banco central amplia a base monetária para dar sustentação para a economia-- como foi praticado pelo Japão no início da década. Segundo o banco, a compra de ativos deve elevar o volume de gastos do setor privado, enquanto a compra de commercial papers e bônus corporativos deve ajudar a impulsionar a economia por meio da recuperação da liquidez nos mercados, o que permitirá aos bancos oferecer mais crédito. (Reportagem de Sumeet Desai e Matt Falloon)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.