coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Corte de Paris aceita pedido de concordata do Eurotúnel

Uma corte da Justiça francesa aceitou hoje o pedido de concordata feito mês passado pela empresa Eurotúnel, responsável pela operação do túnel que liga a França à Inglaterra por baixo do Canal da Mancha. A companhia pretende chegar a um acordo para reestruturar o equivalente a US$ 11,6 bilhões em dívidas. A decisão da Corte Comercial de Paris deu à empresa seis meses para voltar a negociar com os credores.Em maio, o Eurotúnel e seus principais credores haviam chegado a um acerto para implementar um plano de reestruturação, que foi rejeitado pelos detentores de títulos da empresa. Eles argumentaram que o planejamento não lhes daria retorno suficiente.A companhia informou que a proteção dada pela concordata não atrapalhará o tráfego através do túnel, que é usado por passageiros da Eurostar, locomotivas de carga e trens que carregam carros e caminhões.O presidente do Eurotúnel, Jacques Gounon, expressou "grande satisfação" pela decisão da corte. Ele disse estar "convencido" de que a companhia vai chegar a um acordo com os acionistas ao longo dos próximos seis meses. "As negociações começaram há 15 meses, mas o trabalho que fizemos desde 12 de julho é muito importante, pois permitiu que diferentes credores se aproximassem da empresa juntos." Processo A corte definiu dois administradores judiciais para trabalhar com o Eurotúnel na reestruturação. Além disso, nomeou dois procuradores judiciais para dar apoio aos credores. Se um acordo não for alcançado em seis meses, existe a possibilidade de a corte renovar a decisão por até 18 meses.O advogado do Eurotúnel, Antoine Tchekoff, estava otimista com a possibilidade de um acerto em algumas semanas, perto do fim do verão no Hemisfério Norte. "Ajudada pelos administradores judiciais, a empresa imediatamente retomará as negociações a partir da proposta feita em 12 de julho." Os problemas do Eurotúnel começaram já no lançamento do projeto, na década de 90. Os custos de construção da linha ferroviária chegaram a US$ 20 bilhões, ante estimativa inicial de US$ 5,7 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.