Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Corte no IPI dos carros vale por mais três meses

Uma manhã de conversas ao telefone entre sindicalistas, dirigentes de montadoras e o ministro da Fazenda, Guido Mantega, selou ontem a renovação do acordo de redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) para os carros por mais três meses. O anúncio oficial será feito na segunda ou terça-feira (dias 30 ou 31 de março), pois depende da agenda dos envolvidos nas negociações.

Agencia Estado

28 de março de 2009 | 07h20

Com isso, a alíquota do IPI, que era de 7% para carros 1.0, permanecerá isenta. Para modelos 1.4 até 2.0, ficará em 5,5% para motores flex e 6,5% para a gasolina, metade da alíquota normal. Com o novo imposto, os preços dos carros caem em média de 5% a 7%.

O governo já vinha manifestando intenção de renovar a medida, que ajudou as montadoras a venderem, em plena crise, mais veículos no primeiro trimestre deste ano do que em 2008. O impasse estava na contrapartida a ser exigida, de manutenção de empregos, sugerida pelas centrais sindicais. Só nos dois primeiros meses de 2009 as montadoras cortaram 4 mil vagas de trabalho. As fabricantes concordaram, desde que ficassem de fora os trabalhadores com contratos temporários. A abertura de programa de demissão voluntária está liberada.

O corte do IPI em meados de dezembro do ano passado e com validade inicial até 31 de março foi adotado para reduzir o efeito da crise financeira nas vendas de carros no País, que despencaram nos últimos meses de 2008. Apesar de ter provocado queda de 90% na arrecadação do imposto, a medida é vista como uma das poucas anunciada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva com resultado efetivo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
indústria automotivaIPIveículos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.