Corte orçamentário estará pronto até dia 12, diz Miriam

O governo brasileiro deverá anunciar cortes no Orçamento em fevereiro, como parte dos esforços para combater a inflação e as taxas de juros altas, afirmou a ministra do Planejamento, Miriam Belchior. "Nós estamos olhando os números agora e poderemos fazer o anúncio entre 10 e 12 de fevereiro", acrescentou a ministra.

CLARISSA MANGUEIRA, Agencia Estado

28 de janeiro de 2011 | 15h08

Belchior destacou que o governo brasileiro anuncia geralmente os cortes no início do ano calendário como uma forma de garantir o cumprimento das metas de superávit orçamentário. Segundo ela, muitas vezes é possível restaurar cortes de gastos no final do ano, se o cumprimento das metas estiver garantido.

"Quando a proposta do Orçamento volta do Congresso para nós, como ocorreu na semana passada, nós olhamos para as receitas previstas e, se elas parecem estar superestimadas, nós ordenamos cortes nos gastos", ressaltou a ministra.

Neste ano, no entanto, há algumas considerações especiais. A taxa de inflação no Brasil subiu acentuadamente em 2010 para 5,9%, de 4,3% em 2009. Muitos economistas e líderes empresariais pediram que o governo cortasse os gastos como uma forma de ajudar a reduzir a inflação.

Belchior disse que o esforço orçamentário neste ano também terá como objetivo "ajudar a reduzir a inflação e as taxas de juros altas".

No início deste mês, o Banco Central elevou a taxa básica de juros (Selic) em meio ponto porcentual, para 11,25%, e a autoridade monetária deverá promover provavelmente mais elevações para combater a inflação.

A ministra disse que algumas áreas do Orçamento serão preservadas dos cortes. Segundo ela, essas áreas incluem investimentos em infraestrutura dentro do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) e programas para erradicar a pobreza extrema no País.

O PAC 2 engloba uma lista de US$ 562 bilhões em projetos públicos e privados programados para o período de 2011 a 2014. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.