Costa: prisão de Dantas não pode prejudicar novo PGO

O ministro das Comunicações, Hélio Costa, disse hoje que "está tomando todos os cuidados" para evitar que situações como a prisão do sócio-fundador do Opportunitty, Daniel Dantas, prejudiquem o processo de reformulação do Plano Geral de Outorgas (PGO), que permitirá a conclusão da compra da Brasil Telecom pela Oi (ex-Telemar). Dantas foi controlador da Brasil Telecom e negociou mais recentemente a venda da sua participação na empresa por R$ 1 bilhão.Segundo Costa, a fusão das duas empresas não tem "absolutamente nada a ver" com a prisão de Dantas. Segundo o ministro, a Anatel está analisando a modificação nas regras, a pedido do Ministério das Comunicações, provocado pela Associação Brasileira das Concessionárias de Serviço Telefônico Fixo Comutado (Abrafix). "A Anatel responderá então se é possível ou não fazer a fusão entre duas empresas de telecomunicações", disse Costa, reforçando o entendimento de que a regra valerá para todas as concessionárias. Ao ser questionado se os acionistas minoritários não estavam sendo lesados na compra da Brasil Telecom, enquanto Daniel Dantas teria vendido a sua participação por R$ 1 bilhão, Costa respondeu: "estamos preparados para fazer, primeiro, a defesa daqueles que se sentem lesados. É uma questão que a Justiça tem que tomar todas as providências. E nós estamos tomando todos os cuidados para que nada disso que está acontecendo além da Justiça possa prejudicar qualquer entendimento que esteja sendo solicitado à Anatel", disse o ministro, depois de participar de Audiência Pública da Comissão de Defesa do Consumidor da CâMara para falar de serviços de TV por assinatura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.