coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Cota pode preservar exportação de aço para os EUA

As exportações brasileiras de aços semi-acabados continuarão a entrar nos Estados Unidos sem restrições, se o País receber receber uma fatia da cota de 8 milhões de tonelada que o governo americano imporá a essa categoria de produtos. Mas os produtos siderúrgicos finais, tais como os laminados a quente e a frio, que foram alijados do mercado americano nos últimos anos por uma série de processos da indústria local, continuarão barrados por uma tarifa de 25%.A decisão será oficializada quando a Casa Branca anunciar a determinação final do presidente Geroge W. Bush sobre o processo de salvaguardas para a ineficiente indústria siderúrgica dos EUA.A imposição de uma quota de 8 milhões de toneladas anuais aos aços semi-acabados, sem tarifa dentro da quota, que foi decidida por Bush, poderá atender à principal demanda da indústria siderúrgica brasileira e preservar sua posição no mercado americano. Mas isso depende da parcela da quota que for alocada aos exportadores brasileiros. A Comisão de Comércio Internacional, um agência federal americana, havia recomendado uma quota menor, de 7 milhões. O governo brasileiro havia proposto 9 milhões.A Companhia Siderúrgica Nacional, a Companhia Siderúrgida de Tubarão e a Cosipa são as principais fornecedoras externas de semi-acabados para os EUA, com uma participação de cerca de 40% e vendas de US$ 500 milhões, no ano passado.Quanto aos aços acabados, o Brasil não deverá ficar isentos das tarifas, como outros países em desenvolvimento - Argentina, Tailândia e Turquia - porque as exportações brasileiras para os EUA excedem 3% das importações americanas, informa imprensa local. Na prática, a restrição não fará muita diferença para os exportadores brasileiros de aços acabados, pois eles já foram alijados do mercado americano pela imposição de tarifas punitivas, numa sucessão de processos protecionistas iniciados pela indústria local.Diplomatas brasileiros disseram na segunda-feira que o governo balizará sua reação às restrições que Bush deve anunciar até amanhã pela reação das empresas exportadoras e do Instituto Brasileiro de Siderurgia.

Agencia Estado,

05 de março de 2002 | 15h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.