Werther Santana/Estadão-30/11/2018
Werther Santana/Estadão-30/11/2018

Dólar sobe a R$ 5,64 e Bolsa tem ganho de 0,11% em dia de grande volatilidade

Pela amanhã, leilão de aeroportos chegou a animar, mas declarações de Bolsonaro sobre a política de preços da Petrobrás e ata do banco central dos EUA pesaram nos ativos locais

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2021 | 13h31
Atualizado 07 de abril de 2021 | 18h30

Os ativos locais tiveram um pregão de grande oscilação nesta quarta-feira, 7, apesar do resultado melhor que o esperado de um leilão de aeroportos, que rendeu R$ 3,3 bi ao governo. Hoje, a divulgação da ata do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) sobre o cenário economico dos Estados Unidos, pressionou o dólar, que fechou em alta de  0,78%, a R$ 5,6434. Além disso, também pesou a  declaração de Bolsonaro de que o governo pode mudar a política de preços da Petrobrás. Diante dessa tensão, a Bolsa brasileira (B3) teve  pequena alta de 0,11%, aos 117.623,58 pontos.

A declaração de Jair Bolsonaro, embora sem maiores detalhes sobre o que ele pretende fazer com os preços dos combustíveis, pesou no câmbio. Para o diretor de Tesouraria de um banco, volta o fantasma do populismo e da repetição de estratégia de governos passado, o que é mal visto pelo mercado doméstico e, especialmente, pelos estrangeiros.

O economista-chefe de mercados emergentes da consultoria inglesa Capital Economics, William Jackson, destaca que o conturbado processo de troca de comando da Petrobrás já acendeu uma luz amarela no Brasil para os investidores internacionais. Essa cautela ocorre em um momento em que a preocupação fiscal ajuda a embaçar as perspectivas para o crescimento da economia, sobretudo com os recordes diários de mortes da pandemia. O Orçamento de 2021 também segue ainda sem solução.

Em meio à piora da pandemia, a agência de classificação de risco Fitch Ratings alertou nesta tarde que as incertezas sobre os rumos da doença e do processo de vacinação podem piorar as perspectivas para a atividade e a situação fiscal no Brasil, que já é pior que seus pares.

No exterior, a divulgação da ata do Fed era um dos eventos mais esperados da semana. O documento mostrou o BC americano otimista com a atividade econômica, mas avaliando que a inflação pode ter repique, mas de forma temporária. A sinalização é que não há pressa para elevar os juros e alterar a estratégia de política monetária, comenta a economista para os EUA da Oxford Economics, Kathy Bostjancic, em nota.

Kathy acrescenta também que há uma impaciência do mercado, em meio à elevação das taxas de retorno dos títulos do Tesouro americano, movimento para o qual o Fed não sinalizou preocupação. "O Fed será extremamente paciente para elevar os juros", afirma a economista.

Porém, a chance, ainda que passageira, de um aumento da inflação nos Estados Unidos pesa no mercado de títulos públicos americano, pois ela indica uma retomada da economia. Atentos à essa recuperação, os investidores começam a deslocar seus recursos para os ativos dos EUA, promovendo uma fuga dos índices acionários para os papéis do Tesouro. Em resposta, hoje, o rendimento do papel com vencimento em 10 anos, chegou a registrar alta de 1,655%, enquanto o do papel com vencimento de 30 anos sobe em nova máxima, a 2,345%.

Bolsa

Pela manhã, o Ibovespa chegou a subir aos 118 mil pontos, após o leilão de aeroportos públicos que abriu a semana de infraestrutura - a Infra Week -, no mercado brasileiro. No total, foram leiloados 22 terminais em 12 Estados, que vão exigir investimentos da ordem de R$ 6 bilhões ao longo dos 30 anos de concessão. A grande vencedora foi a concessionária CCR, que acabou fechando com queda de 1,82%, devido ao ágio de 9.000%. No entanto, o desgaste com o noticiário local e externo pesaram na Bolsa.  Na semana, o Ibovespa avança 2,06%, com ganho de 0,85% neste começo de mês, limitando as perdas do ano a 1,17%.

"O mercado continuou hoje em cima dos três pilares que vêm ditando o andamento desde segunda-feira: o externo, a vacinação aqui e as questões fiscais. A ata do Fed acabou gerando um pouco de estresse, devido ao apontamento de que a recuperação da economia continua forte nos Estados Unidos, e que eles (do Fed) continuam acompanhando bem de perto, dentro da forte recuperação que começa a se mostrar lá fora", diz Rodrigo Moliterno, head de renda variável da Veedha Investimentos.

Nesta tarde, ao sinalizar que é possível mudar a política de preços da Petrobrás, Bolsonaro contribuiu para reduzir o fôlego do índice da B3 e também os ganhos dos papéis da estatal - o PN que vinha, em alta, caiu 0,08%, enquanto o ganho do ON foi reduzido a 0,46%. O destaque ficou para o ganho de 2,46% de Vale, em dia também positivo para as ações de siderurgia, com Gerdau e CSN em altas de 1,89% e 1,84% cada.

Na ponta do Ibovespa, Braskem fechou em alta de 5,95%, à frente de Minerva, com ganho de 4,22% e de Hapvida, com 3,89%. Na face oposta, Hering cedeu 3,34%, Rumo, 3,25%, e B2W, 2,96%. Nos EUA, com a ata do Fed, o Dow Jones fechou em alta de 0,05% e o S&P 500 subiu 0,14%, em novo recorde de fechamento. Já o Nasdaq caiu 0,07%. /LUÍS EDUARDO LEAL, ALTAMIRO SILVA JÚNIOR E MAIARA SANTIAGO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.