Reuters
Reuters

Bolsa fecha estável apesar de queda das ações de commodities; dólar cai a R$ 5,27

Moeda voltou a perder o fôlego nesta quinta, após subir forte no dia anterior com a divulgação da ata do Fed; queda das ações de Vale e Petrobrás pesaram na B3

Redação, O Estado de S.Paulo

20 de maio de 2021 | 15h10
Atualizado 20 de maio de 2021 | 18h23

Bolsa brasileira (B3) conseguiu evitar a segunda perda consecutiva nesta quinta-feira, 20, e fechou em leve alta de 0,05%, aos 122.700,79 pontos no final do pregão, apoiada pelos ganhos do mercado de Nova York, apesar do recuo das ações de empresas ligadas ao setor de commodities. No câmbio, o dólar recuou 0,73%, cotado a R$ 5,2771, após subir no dia anterior com a divulgação da ata do Federal Reserve (Fed, o banco central americano).

Os números surpreendentes da arrecadação de abril, que somou R$ 156,8 bilhões, com o mês batendo recorde histórico e apontando para atividade mais aquecida, ajudaram a aliviar a pressão do real. Com isso, a CPI da covid ficou no radar das mesas, mas em segundo plano, em novo dia do depoimento do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.

Há um ambiente no Brasil neste momento para "otimismo cauteloso", avalia o analista da consultoria inglesa TS Lombard, Wilson Ferrarezi. A atividade tem dado várias mostras de estar melhor do que inicialmente se esperava e os números hoje da arrecadação de abril reforçaram essa visão. "A perspectiva para as reformas melhorou", ressalta Ferrarezi em relatório. Com isso, o real tende a se fortalecer. "Achamos que a janela para a aprovação de algumas reformas é agora", ressalta Ferrarezi.

No exterior, a ata do Fed ontem fez o dólar se recuperar das mínimas em três meses ante moedas como o euro e a libra e subir em todos os emergentes. "O Fed meramente pensando sobre quando considerar os planos de reduzir as compras de ativos foi uma sinalização sutil, mas notável, de mudança", avalia o analista de mercados sênior do Western Union, Joe Manimbo. Ele ressalta que em meio a recuperação hoje do apetite por risco, o dólar voltou a testar mínimas em meses ante moedas como euro e libra.

Hoje, o mercado de renda fixa americano também realizou lucros, o que ajudou a aliviar o preço do dólar e também deu força aos índices acionários. Os rendimentos dos papéis com dez e trinta anos caíram 1,63% e 2,33% cada. A alta desses ativos pressiona o câmbio e as Bolsas, pois, por serem investimentos mais seguros, podem promover uma debandada de recursos, caso as condições estejam favoráveis.

O índice DXY, que mede o comportamento da moeda americana ante divisas fortes, voltou a cair abaixo do patamar simbólico de 90 pontos. Por aqui, na máxima do diam alcançada pela manhã, a moeda tocou em R$ 5,30. A moeda para junho fechou em queda de 0,52%, cotado a R$ 5,2875.

A Colômbia hoje foi uma das raras exceções onde o dólar subiu nos emergentes, refletindo a perda da classificação grau de investimento anunciada na noite de ontem pela S&P Global Ratings. O rebaixamento, avalia o Goldman Sachs, não foi exatamente uma surpresa, considerando os recentes problemas fiscais do país vizinho, como os do Brasil, mas veio um pouco mais cedo que o esperado. O dólar subiu 0,92% ante o peso colombiano.

Bolsa

A alta dos mercados de Nova York ajudou o Ibovespa a virar no final, em um dia marcado pela realização de lucros nos papéis das commodities. Hoje, Dow JonesS&P 500 Nasdaq subiram 0,55%, 1,06% e 1,77% cada. Faltando pouco mais de uma semana para o encerramento do mês, principal índice da B3 acumula ganho de 3,20% em maio - na semana, avança até aqui 0,67% e, no ano, 3,09%.

Petrobrás PN e ON recuaram 0,84% e 1,37% cada, em sintonia com a baixa do petróleo no exterior, cujos contratos cederam mais de 2,2% Os investidores monitoram o andamento do acordo nuclear de países desenvolvidos com o Irã, o que resultaria na possível retirada de sanções contra o setor petrolífero iraniano. Como consequência da medida, estaria o aumento da oferta do óleo no mercado, em um momento no qual a demanda ainda continua fraca por conta da pandemia.

ValeUsiminas e CSN recuaram 1,02%, 1,80% e 0,4% cada, com o preço do minério de ferro cotado hoje abaixo de seu preço máximo na China. Gerdau PN também cedeu 3,30%. Na contramão, os ganhos abaixo de 1% do setor bancário, à exceção de Santander, em queda de 0,51%. Eletrobrás ON e PNB recuaram 2,35% e 3,32% cada, na esteira da aprovação na Câmara, na madrugada desta quinta, da MP de privatização de estatal. Apesar de ser vista como um marco importante, além de sinalizar o andamento da pauta liberal do governo, o excesso de "jabutis", medidas estranhas ao tema, no parecer, ainda preocupa o mercado. /ALTAMIRO SILVA JÚNIOR, LUÍS EDUARDO LEAL E MAIARA SANTIAGO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.