Coutinho admite 'negociar' aporte do Tesouro no BNDES

Sem revelar cifras, o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, admite que há tratativas para um possível aporte do Tesouro Nacional no banco de fomento. "Não vou aprofundar esse assunto. Nós temos conversações, estamos em tratativas", disse a jornalistas na noite desta quinta-feira, 29.

GUILHERME WALTENBERG, Agencia Estado

29 de agosto de 2013 | 21h29

Matéria publicada na quarta, 28, pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real da Agência Estado, informava que o Tesouro Nacional deve liberar entre R$ 20 bilhões e R$ 30 bilhões para o BNDES até o fim do ano. O valor do novo empréstimo estaria sendo negociado e servirá para reforçar o caixa do banco para atender a demanda por novos investimentos, confirmaram duas fontes qualificadas do Ministério da Fazenda. É mais provável que o valor fique em torno de R$ 25 bilhões. O compromisso da equipe econômica, segundo uma das fontes, é que o valor seja menor do que no ano passado, quando o governo liberou R$ 45 bilhões.

O presidente do BNDES, quando perguntado sobre as discussões em torno do tema superávit primário e nominal, disse que preferia não comentar, mas avaliou que o Brasil está maduro para a discussão. "Acredito que é um tema que o Brasil já está maduro para discutir, que além do superávit primário, (possa) considerar outros critérios", finalizou. Coutinho participa de um jantar em sua homenagem em um restaurante da zona oeste da capital paulista.

Tudo o que sabemos sobre:
BNDESCoutinhoTesouro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.