Coutinho defende apoio a setor de laticínios

Para presidente do BNDES, segmento é relevante; economista Mansueto Almeida critica a operação

FERNANDO DANTAS / RIO, O Estado de S.Paulo

16 de fevereiro de 2013 | 02h07

O pedido de recuperação judicial da LBR coloca em cena o acirrado debate entre os defensores da política industrial voltada à criação de empresas "campeãs nacionais", capazes de se lançar no mercado global, e os muitos críticos desta visão.

Luciano Coutinho, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), falou com o Estado sobre o assunto do setor de laticínios no final de janeiro, quando participava do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça. Ainda não havia a notícia do desfecho do caso da LBR, com o pedido de recuperação judicial, e Coutinho frisou que não estava falando desta operação específica.

"O Brasil tem setores com potencial competitivo, particularmente no agronegócio, e temos uma demanda pujante na Ásia, que é uma oportunidade", disse Coutinho. Além disso, continuou, "há o mercado interno, em que o setor de laticínios é importante para o custo de vida e a cesta básica".

Ele lembrou que o setor de laticínios tem uma extensa cadeia produtiva, envolvendo centenas de milhares de pequenos produtores no País inteiro.

"É um setor ainda pouco organizado, onde ainda prevalece em muitos casos a informalidade, e onde ainda há um problema de qualidade de produto. Se pegar o índice de bactérias por litro, ainda estamos aquém. Ainda estamos aquém também em produtividade", argumentou.

Ele criticou o que vê como análises que depreciam o setor: "O fato é que somos o quinto mercado do mundo, e temos um movimento de qualificação de algumas empresas. O ganho de qualificar esta cadeia do ponto de vista de receita tributária, qualidade do consumidor, e potencial do mercado, inclusive no futuro, de exportação, justifica que este deva ser um setor olhado".

Na contramão de Coutinho, o economista Mansueto Almeida, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), diz que "a operação da LBR não tem muitos ganhos nem para a sociedade nem para o BNDES, mesmo que tivesse dado certo - dando errado, é pior ainda".

Frisando que está falando em termos pessoais, Almeida nota que a produção de leite e laticínios é uma atividade já bem conhecida em sua estrutura de custos, em que o retorno é meramente privado. "É o tipo de operação na qual um banco público não deve participar", ele opina.

Para o economista, as atividades que devem ter apoio de um banco público têm de ter retorno social, e, neste caso, vale a pena investir, mesmo com risco de fracasso. Ele cita o caso de tecnologias e produtos novos, "que ninguém sabe se vai dar certo ou não". O apoio público, neste caso, pode viabilizar o negócio, possibilitando um aprendizado tecnológico que depois se espalha por diversas outras empresas.

Outro caso que justifica o suporte de bancos públicos, para Almeida, são projetos de infraestrutura que beneficiem um grande número de usuários, e que exigem grande volume de recursos, por prazos muito longos.

"Esse claramente não é o caso da maioria das operações que envolvem fusões e aquisições nas quais o BNDES tem participado", critica o economista.

Para Coutinho, no entanto "a política de desenvolvimento abrange fomentar setores de alta tecnologia e intensivos em conhecimento, mas olhando também a realidade da estrutura do País e a relevância econômica - devemos promover esse tipo de cadeia produtiva (laticínios)".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.