CPF suspenso pode ser regularizado nos Correios

O supervisor nacional do Imposto de Renda da Receita Federal, Joaquim Adir, disse hoje que o contribuinte que estiver com o CPF suspenso ou pendente, por não ter entregue a declaração de isento em anos anteriores, deve procurar um dos conveniados da Receita, como a Caixa Econômica Federal, o Banco do Brasil e os Correios, para regularizar o documento. Para isso terá que pagar uma taxa de R$ 5,50.O supervisor disse que o fim da obrigatoriedade da entrega da declaração de isento, a partir deste ano, vai desonerar a população de baixa renda. Segundo ele, cerca de 7 milhões de pessoas, por ano, deixam de entregar o documento de isento e por isso acabam tendo o CPF suspenso. Adir disse que muitas vezes essas pessoas não entregam o documento por falta de informação e, ao precisar usar seu CPF, descobre que o documento está irregular. Segundo ele, o custo para o contribuinte não é apenas a taxa paga para entregar a declaração, mas também o custo de transporte, além do desgaste para conseguir, depois, regularizar o CPF. Ele explicou que muitas vezes o contribuinte procura, primeiro, um posto da Receita Federal, antes de se dirigir a um dos conveniados.Segundo Adir, com o fim da declaração de isento não só o contribuinte será desonerado mas também os custos da Receita com o processamento das cerca de 68 milhões de declarações de isento entregues anualmente serão reduzidos. Ele apontou também que as filas de atendimento nos postos da Receita devem diminuir.O supervisor informou ainda que a Receita Federal está trabalhando com a Previdência Social para fazer o cruzamento entre os CPFs suspensos e os óbitos registrados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para que nesses casos o documento seja definitivamente cancelado. Adir acredita que o número de CPFs pendentes por ano, com as mudanças anunciadas hoje, deve ser reduzido de 7 milhões para cerca de 300 mil. A partir deste ano só ficarão com CPF pendente de regularização os contribuintes que não entregaram a declaração de ajuste anual do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF). Para regularizar sua situação, o contribuinte terá que entregar a declaração deste ano e pagar uma multa pelo atraso na entrega. Adir informou que cerca de 1 milhão de pessoas entregam anualmente a declaração do Imposto de Renda da Pessoa Física com atraso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.