CPFL Energia lucra R$ 1,643 bi em 2007, alta de 17%

A CPFL Energia registrou lucro líquido consolidado de R$ 1,643 bilhão em 2007, o que representa um incremento de 17% sobre o resultado de 2006. O desempenho é o melhor da história da companhia. A geração de caixa, medida pelo Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortizações), da companhia alcançou R$ 3,345 bilhões, alta de 19,9%. A receita líquida foi de R$ 9,410 bilhões, avanço de 18,9%.Segundo o diretor vice-presidente Financeiro e de Relações com Investidores da CPFL Energia, José Antonio de Almeida Filippo, o resultado de 2007 decorre de três fatores. O primeiro deles diz respeito ao crescimento do mercado da companhia. "As vendas na área de concessão da companhia cresceram 12,4%, para 46,475 mil GWh (gigawatts-hora)", disse o executivo.O segundo fator apontado pelo executivo foi a incorporação dos resultados das últimas aquisições do grupo, as concessionárias Santa Cruz e CMS Energy (hoje, CPFL Jaguariúna). "Sem as aquisições, as vendas nas áreas de concessão da CPFL foram de 6%", disse o executivo, salientando a relevância da estratégia de aquisição da companhia. Apesar da significativa participação das aquisições, o executivo lembrou que o crescimento de 6% na área de concessão da CPFL foi acima do crescimento nacional de 5,4% no período.Sobre as vendas de energia, o executivo disse que os destaques do ano passado foram as classes residencial e comercial, que cresceram, respectivamente, 13,5% e 12,5%. "Esses segmentos foram beneficiados pelas temperaturas mais altas no ano passado, principalmente em nossas concessões localizadas no Estado de São Paulo, e pelo aumento de renda dos consumidores", disse.O terceiro fator citado pelo executivo para explicar o bom desempenho da companhia no ano passado foi a entrada em operação da hidrelétrica Campos Novos, de 880 megawatts (MW) de capacidade instalada e localizada em Santa Catarina, em fevereiro de 2007.

WELLINGTON BAHNEMANN, Agencia Estado

28 de fevereiro de 2008 | 19h48

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.