CPMF: multa será decidida hoje

O presidente do Tribunal Regional Federal (TRF), José Kallás, deve decidir hoje se mantém ou não a liminar do Ministério Público Federal que suspende a multa de 20% na cobrança dos atrasados da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Enquanto a liminar estiver em vigor, os contribuintes do Estado de São Paulo, que deixaram de pagar o tributo no período de 9 a 18 de agosto de 1999 estão isentos do pagamento da multa. Nos outros Estados da União, onde a CPMF também não foi recolhida por um determinado período, a cobrança seguirá normalmente. O contribuinte terá debitado de sua conta corrente, além da CPMF devida, multa de 20% acrescida da taxa básica de juros de 16,5% ao ano.A medida cautelar, válida para São Paulo, também prevê que os bancos não poderão cobrar a CPMF dos correntistas que não tiverem um saldo positivo. Se esta decisão for mantida, já pode ser considerada uma conquista para os contribuintes paulistas. No entanto, a União entrou com uma suspensão de segurança para derrubar a medida cautelar e assim cobrar a multa do contribuinte.Alguns advogados porém contestam até mesmo a cobrança da taxa básica de juros na conta corrente do contribuinte. Segundo Fernando Zanetti, advogado empresarial e tributarista, a taxa não deveria ser cobrada pois há um limite estipulado no Código Tributário que prevê a cobrança de 1% na taxa de juros.Alguns bancos não foram avisadosA Receita Federal deveria ter avisado as instituições financeiras e os contribuintes da decisão sobre a liminar. No entanto algumas instituições financeiras não haviam sido notificadas. O Banco Safra, por exemplo, é um deles. Segundo a assessoria de imprensa da instituição financeira, eles ficaram sabendo da decisão judicial pelo mercado. "E diante disso resolveram tomar uma atitude preventiva de seguir o que foi determinado pela Justiça." Além de não cobrar a multa o banco não irá cobrar dos correntistas que estiverem com o saldo negativo.

Agencia Estado,

24 de outubro de 2000 | 14h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.