Crédito ao consumidor mostra recuperação

Após forte retração no ano passado, em razão dos juros altos e da incertezas políticas, o crédito a pessoa física mostrou sinais de melhora em janeiro. O volume de novas concessões ainda está em queda, mas em ritmo menor.No mês passado, o recuo foi de 5,9% em relação a janeiro de 2002. Em outubro do ano passado, tinha caído 7,6%; em novembro, 6,5%; e em dezembro, 6%, sobre os mesmos meses do ano anterior, conforme dados da Partner Consultoria, que analisa mensalmente as oscilações do crédito ao consumidor com base em dados do Banco Central. Os números levam em conta os recursos concedidos por instituições financeiras e administradoras de cartão de crédito. Os crediários do comércio não entram nesta analise. Na avaliação da Partner, as quedas tendem a ser ainda menores nos próximos meses. A projeção é de que em fevereiro o porcentual fique em 5% e em marco, 3,7%, em razão da melhora da confiança do mercado e das instituições financeiras. Em janeiro na comparação a dezembro houve queda de 7% no número de novas concessões. Foram R$ 22,4 bilhões, em comparação a R$ 24,4 bilhões de dezembro. O saldo de recursos emprestados (a receber pelas instituições) chegou a R$ 75,9 bilhões em janeiro, um crescimento de 2,1% em relação a dezembro e queda 5% sobre janeiro de 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.