Crédito consignado para aposentado cai ao menor nível

Em setembro, foi liberado R$ 1,9 bilhão, com redução de 16,6% na concessão desse tipo de crédito ante mês anterior

Edna Simão, O Estado de S.Paulo

28 de outubro de 2010 | 00h00

As operações de crédito consignado para aposentados e pensionistas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) atingiram o nível mais baixo do ano no mês de setembro. De acordo com números divulgados ontem pelo Ministério da Previdência Social, foi liberado R$ 1,976 bilhão no mês passado, com 660.817 operações.

O resultado pode estar vinculado à antecipação de parte do décimo terceiro salário do aposentado. Ou seja, o beneficiário, com dinheiro no bolso, pode ter optado por não contrair novos empréstimos e até mesmo pagar dívidas.

De agosto para setembro, houve uma diminuição de 16,6% na concessão desse tipo de crédito. Comparando com setembro de 2009, que também teve o efeito do 13.º, no entanto, houve uma elevação do volume total de empréstimos de 22,86%. Também houve uma ampliação no acumulado de janeiro a setembro. Nesse período houve um aumento de 18,78% na comparação com o mesmo período de 2009. As operações saltaram de R$ 17,068 bilhões para R$ 20,274 bilhões.

A tendência, no entanto, é de redução do ritmo de expansão desses empréstimos. Até porque o limite de endividamento do aposentado e pensionista é de 30% do rendimento, e 10% podem ser gastos no cartão.

Acomodação. Na terça-feira, o chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central, Altamir Lopes, frisou que a perspectiva é de "acomodação" da taxa de expansão do crédito com desconto em folha para trabalhadores do setor público - o que inclui os aposentados e pensionistas.

Em setembro, conforme dados do Banco Central, o saldo de empréstimos aos trabalhadores do setor público chegou a R$ 112,981 bilhões, um crescimento de 29,5% nos últimos 12 meses.

Os dados da Previdência Social mostram ainda que os aposentados e pensionistas estão utilizando cada vez menos a opção do cartão de crédito. Isso ocorre porque as taxas do cartão são mais elevadas. Além disso, é possível verificar que os empréstimos estão concentrados entre a população que ganha até um salário mínimo.

Do total de R$ 1,976 bilhão de empréstimos concedidos em setembro, R$ 825,094 milhões foram destinados a quem recebe até um salário mínimo; R$ 582,867 milhões para os que têm rendimento entre um e três mínimos; e o restante para os que ganham mais de três mínimos.

Das operações realizadas em setembro, R$ 953,529 milhões foram fechadas no mercado da Região Sudeste, por meio de 308.856 contratos. São Paulo mantém a liderança, respondendo com 53,9% do volume de contratos e 56,5% do total de recursos da região.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.