Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Crédito cresce 5,5% em 2018, depois de dois anos seguidos de contração

Empréstimos e financiamentos a famílias subiram 8,6% no ano enquanto que as operações com empresas cresceram 1,9%

Fabrício de Castro e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2019 | 14h30

BRASÍLIA - Depois de dois anos seguidos de contração, o mercado de crédito cresceu 5,5% em 2018 e alcançou R$ 3,2 trilhões. Empréstimos e financiamentos a famílias subiram 8,6% no ano enquanto que as operações com empresas cresceram 1,9%, de acordo com dados do Banco Central divulgados nesta terça-feira.

“Podemos dizer que 2018 foi um ano de recuperação de crédito”, avaliou o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha.

Segundo Rocha, o desempenho no ano passado foi puxado pelas operações no crédito livre (excluindo habitacional, rural e do BNDES), que cresceram 11,2% - maior alta desde 2012. Nesse recorte, os crescimentos para pessoas físicas e jurídicas foram equivalentes, com aceleração no crédito para as empresas. “Para pessoas jurídicas, é relevante ressaltar o desempenho do capital de giro e nas operações de comércio exterior. Para pessoas físicas, o destaque foi o crédito pessoal e para a aquisição de veículos”, afirmou.

Já o crédito direcionado (modalidades que não entram nos recursos livres) apresentou recuo pelo terceiro ano seguido, com queda de 0,6% em 2018. “Mas uma retração menor que a dos anos anteriores sinaliza que o crédito direcionado caminha para uma estabilização, para deixar de cair”, ponderou Rocha. “Desde agosto do ano passado já é possível observar uma trajetória de crescimento”, apontou.

Segundo ele, o recuo do crédito direcionado, sobretudo por parte do BNDES, já tem sido compensado por outras modalidades de crédito ou mesmo pelo mercado de capitais. “O crescimento das operações livres de aquisição de veículos por pessoas jurídicas é um exemplo disso”, completou.

O total de operações de crédito em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) fechou 2018 em 47,4%. No ano anterior, tinha fechado em 47,2%.

As projeções do BC para 2018, atualizadas no Relatório Trimestral de Inflação (RTI) de setembro, indicavam expansão de 4% para o crédito total em 2018. A projeção para o crédito às famílias no ano passado era de alta de 7,5%, enquanto o crédito das pessoas jurídicas esperado era de alta de 0,5%. O BC projetava ainda alta de 9,5% no saldo de crédito livre no ano passado e retração de 1,5% no direcionado.

Tudo o que sabemos sobre:
créditoBanco Central do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.