Crédito do Santander no 1º tri é impulsionado por câmbio e associação com Bonsucesso

Crescimento da carteira de crédito do banco no 1º trimestre foi de 4,6%, chegando a R$ 324,737 bilhões

Aline Bronzati, O Estado de S. Paulo

28 Abril 2015 | 09h10

O crescimento da carteira de crédito ampliada do Santander, que considera títulos privados, avais e fianças, no primeiro trimestre, de 4,6%, para R$ 324,737 bilhões, quando comparado com os três meses anteriores foi impulsionado pela variação cambial no período e a conclusão da associação com o banco Bonsucesso na área de consignado (com desconto em folha). Em um ano, o crescimento chegou a 18,0%, com destaque para o público de grandes empresas.

"Excluindo o impacto da associação com o Bonsucesso e da variação cambial, o crescimento da carteira ampliada seria de 13,0% e 1,8%, em doze e três meses, respectivamente", explica o Santander, em relatório que acompanha suas demonstrações financeiras.

Ao final de março, a carteira de crédito de pessoa jurídica somou R$ 142,147 bilhões, alta de 28,0% em 12 meses e 9,0% no trimestre. O segmento de grandes empresas registrou saldo de R$ 110,504 bilhões, montante 11,9% maior que o registrado no trimestre anterior, de R$ 98,709 bilhões. Em um ano, quando os empréstimos somaram R$ 79,210 bilhões, o crescimento chegou a 39,5%.

O volume de crédito destinado ao segmento de Pequenas e Médias Empresas, público-alvo do banco, somou R$ 31,643 bilhões nos três primeiros meses do ano, com redução de 0,7% ante igual intervalo do ano passado. Na comparação trimestral foi identificada retração de 0,4%.

O crédito à pessoa física totalizou R$ 79,819 bilhões ao final março, com alta de 5,8% em um ano e 1,9% no trimestre. Os destaques foram consignado e imobiliário com crescimentos de 12,5% e 6,7% no primeiro trimestre ante os três meses anteriores. No comparativo anual, essas carteiras tiveram expansão de 36,3% e 0,8%, respectivamente.

O banco lembra que concluiu em fevereiro a associação com o Bonsucesso, o que permitiu fortalecer os negócios de crédito consignado. A nova operação impactou positivamente a carteira de crédito em R$ 1,7 bilhão. "Excluindo este efeito e o impacto da variação cambial, o crescimento desta carteira seria de 9,2% e 1,6%, em 12 e três meses, respectivamente", acrescenta o Santander.

A carteira de financiamento ao consumo, originada fora da rede de agências, alcançou R$ 36,178 milhões em março de 2015, com queda de 3,3% em doze meses e de 1,6% no trimestre. Do total, R$ 29,964 bilhões referem-se a financiamentos de veículos para pessoa física. Considerando a carteira de veículos para pessoa física, que inclui as operações realizadas através de correspondentes bancários (financeira) e pela rede agências, houve redução de 2,2% em doze meses, e de 1,4% no trimestre, totalizando R$ 33,097 bilhões em março de 2015.

Mais conteúdo sobre:
Santandercrédito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.