Crédito: é importante planejar

As taxas de juros ao consumidor no Brasil estão entre as mais altas no mundo. Por isso, quase nunca vale a pena contrair um empréstimo. Mas se isso for necessário, o consumidor deve tomar algumas providências. Antes de mais nada, deve verificar o quanto precisará tomar emprestado e a qual será a taxa de juros. Muitas vezes, no caso de financiamentos, por exemplo, o comércio oferece taxas mais baixas para atrair o comprador, mas eleva o preço da mercadoria. Ou o contrário, preço baixo, mas taxas altas. Assim, é importante verificar o preço final do empréstimo. Depois de fazer uma pesquisa de preço final, o consumidor deve ter certeza de que o valor das prestações está adequado. Como os juros estão embutidos em cada prestação, quanto maior o prazo do empréstimo, mais dinheiro se perde. Mas prestações muito altas, para encurtar o prazo, podem comprometer o orçamento doméstico e até levar à inadimplência. Cuidado para não ficar enforcado no cheque especialAlém de pensar no valor final do empréstimo e no prazo, o contratante deve verificar o tipo de financiamento que deseja contrair. É sempre mais fácil usar o limite do cheque especial ou o cartão de crédito, mas as taxas desses financiamentos são as mais caras do mercado. Muitas vezes, os consumidores que optam por esses instrumentos de crédito acabam não conseguindo arcar com os custos e vêem suas dívidas se multiplicarem.Uma saída para o consumidor que quer se ver livre das dívidas no cheque especial e cartão de crédito é contratar empréstimos de prazo mais longo, pagando juros menores. Porém, esse processo de contratação é mais demorado e burocrático, embora muitas instituições financeiras ofereçam crédito pré-aprovado a seus clientes. Penhor ainda é o mais baratoUma das opções mais baratas de crédito é o penhor na Caixa Econômica Federal. O interessado leva um dos objetos aceitos pela Caixa para uma avaliação e sai com o dinheiro em seguida, tendo um prazo para pagar o empréstimo, ou ter seu bem leiloado. Cobra-se uma taxa de avaliação e só se pode levar 80% do valor do bem.Poupar para pagar à vista é sempre o melhor negócioDe qualquer maneira, o mais importante, além de planejar bem o empréstimo, é verificar se ele realmente é necessário, pois o crédito no Brasil ainda é muito caro. Se o consumidor optar por poupar para comprar à vista, terá direito aos rendimentos de uma aplicação financeira enquanto acumula o dinheiro necessário para a compra. Além disso, pode conseguir um bom desconto, dependendo do que for comprar.Veja no link abaixo uma cartilha completa sobre todas as formas de crédito disponíveis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.