Crédito imobiliário da Caixa deve ficar mais caro

O valor das prestações do financiamento de imóvel pela Caixa Econômica Federal vai aumentar até 18% no novo programa voltado para a classe média, que será lançado no início do ano, segundo empresários do setor. O novo sistema de crédito vai utilizar recursos do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), mas ainda não tem todas as regras definidas. As imobiliárias estão incentivando os consumidores a fazerem a compra de imóvel o quanto antes para se beneficiarem das regras atuais, de custos menores, dentro de linhas como o Programa de Demanda Caracterizada (Prodecar) que termina em fevereiro. Lembram que há poucos dias úteis até lá e a busca do financiamento implica juntar documentos. No novo programa, a correção será feita com juros de 4%, no caso de compra de imóvel na planta, ou 5,5%, para imóveis prontos, mais a Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), que está na faixa de 10%. O empréstimo no Prodecar é feito com juros de 10,5% mais TR, que fica em torno de 3% ao ano. "A diferença no novo programa é que o consumidor vai pagar adiantado a correção, que será diluída nas prestações. Com o Prodecar, a correção é feita uma vez por ano", explica o diretor da empresa de empreendimentos imobiliários Pluricorp, João César Miranda. Segundo levantamento informal da Jad Consultoria, na Grande São Paulo ainda há cerca de 200 imóveis prontos e duas mil unidades em desenvolvimento ou na planta que podem ser financiados com as regras do Prodecar. A compra nas condições ainda em vigor deve ser feita no máximo até o fim de janeiro. Os últimos contratos do Prodecar encerram-se em 28 de fevereiro, mas o consumidor não pode esperar porque é necessário um tempo para por em ordem toda a documentação do financiamento. Além disso, contratos de algumas empresas foram firmados em período anterior e encerram-se antes. Para o diretor comercial da construtora Sergus, Luis Carlos Baccin, "o consumidor deve agilizar a compra do imóvel pelas regras do Prodecar, que já são bem conhecidas". A empresa tem 298 unidades na planta ou em desenvolvimento que podem ser vendidas dessa forma. A Caixa ainda não definiu data para divulgar as novas regras do financiamento para a classe média, como prazo e sistema de amortização. Em janeiro R$ 200 milhões, do total de R$ 1 bilhão provenientes do FAT, estarão disponíveis para os empréstimos.

Agencia Estado,

13 Dezembro 2001 | 09h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.