Crédito imobiliário: faça a melhor escolha

Mutuários da Caixa Econômica Federal (CEF) que optaram, no ano passado, por um financiamento habitacional pelo Sistema de Amortização Crescente (Sacre) já estão com o valor das prestações caindo. De acordo com reportagem de Cássia Carolinda, isso está acontecendo por causa do baixo valor da Taxa Referencial (TR), cuja projeção para o ano é de 2,5%. Caso a TR se mantenha nos níveis atuais, as parcelas tendem a continuar caindo.Para se ter uma idéia, um mutuário que tenha assinado um contrato em 11 de maio de 1999, no valor de R$ 50 mil, para pagamento em 15 anos - taxa de juros de 12% ao ano -, terá a sua prestação reduzida em 17 de junho deste ano, de R$ 777,77 para R$ 765,94. Sacre x Price: escolha a melhor forma de financiamento Nos contratos habitacionais de até R$ 40.414,00 da Caixa, o mutuário com renda mensal de até 12 salários mínimos (R$ 1.812,00), pode escolher o critério de cálculo da prestação: pelo Sacre ou pela Tabela Price - Sistema Francês de Amortização. Nos financiamentos de valor mais elevado a Caixa adota apenas o Sacre.Quem pode optar entre um e outro sistema de cálculo da prestação, deve analisar mais do que as perspectivas para a Taxa Referencial (TR). Isso porque a Taxa é usada no cálculo da prestação dos dois sistemas. O que vai diferenciar são as prestações inciais e a forma como elas evoluem.No sistema Sacre, o mutuário terá parcelas mais altas no início. O contrário disso ocorre na tabela Price. Porém, ao longo dos meses, o comprometimento da renda na tabela Sacre cai e na tabela Price sobe consideravelmente. O consumidor deve estar atento a isso e lembrar que financiamentos de longo prazo são sempre arriscados. A chance de não conseguir honrar o vencimento das mensalidades fica ainda maior se considerarmos que o comprometimento da renda aumenta, como é o caso da tabela Price.Veja no link abaixo uma tabela comparativa entre um financiamento pela tabela Sacre e outro pela Price. As condições no início - taxa de juros, prazo e perspectiva para a TR - são as mesmas. A única exceção é a mensalidade inicial, que pela tabela Sacre é maior. Mas o que chama mais a atenção é a porcentagem da renda que é destinada para o pagamento da dívida. Pela Sacre, a parcela é de 36,50% da renda. Pela Price, 80,06%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.