Crédito impulsiona lucro dos dois maiores bancos da China no 1º trimestre

Resultados foram ajudados pelos benefícios residuais do boom do crédito sem precedentes ocorrido no país

Marcílio Souza, da Agência Estado,

29 de abril de 2010 | 16h20

Os dois maiores bancos da China - o Banco Industrial e Comercial (BICC, ou ICBC, na sigla em inglês) e o Banco de Construção - registraram crescimento do lucro no primeiro trimestre deste ano em comparação com o montante obtido em igual período do ano passado. Os resultados foram ajudados pelos benefícios residuais do boom do crédito sem precedentes ocorrido no país. No ano passado, os bancos chineses geraram um volume recorde de US$ 1,4 trilhão em empréstimos novos.

 

O lucro do BICC aumentou 18% no primeiro trimestre deste ano em comparação com o de igual intervalo do ano passado, para 41,55 bilhões de yuan (US$ 6,1 bilhões), enquanto o Banco de Construção, o segundo maior do país, registrou alta de 34% do seu lucro, para 35,16 bilhões de yuan.

 

"Com a contínua expansão do crédito e as margens financeiras mais altas, os bancos enfrentarão menos dificuldade para aumentarem seus lucros este ano, disse o analista Jon Lin, da Orient Securities. A Shenyin Wanguo Securities afirmou em nota que os 14 bancos chineses com ações listadas em bolsa deverão registrar um crescimento médio mínimo de 20% de seus lucros neste ano e no próximo.

 

O forte aumento do crédito concedido no ano passado não gerou elevações correspondentes da receita financeira líquida em 2009, já que as margens financeiras mais baixas compensaram o benefício dos volumes maiores. Mas os analistas têm afirmado que esperam que os bancos chineses terão lucro maior este ano do que em 2009, já que a demanda por crédito continua robusta enquanto a oferta mais apertada abre espaço para que essas instituições elevem os custos do empréstimo aos clientes.

 

O BICC, por exemplo, disse que seus empréstimos ainda em aberto em 31 de março eram 6% maiores do que os do final do ano passado, menos da metade da alta de 14% registrada há um ano. Entretanto, sua receita financeira líquida, uma fonte importante de lucro, expandiu-se 18%, para 68,40 bilhões de yuan.

 

A receita das instituições deverá continuar crescendo este ano, principalmente se o banco central elevar as taxas de juros para conter as expectativas de inflação. "Quando as pessoas esperam que a inflação vai subir, elas retiram dinheiro de suas contas bancárias e investem em ativos como imóveis e ações, o que pode reduzir os custos de financiamento para os bancos", disse Jin.

 

Apesar do otimismo dos analistas com as perspectivas de lucro dos bancos, os investidores têm vendido ações do setor nos últimos dias, já que os esforços de Pequim para limitar a alta dos preços dos imóveis e para supervisionar os empréstimos dos governos locais despertaram preocupações com relação à qualidade dos ativos.

 

As ações do BICC caíram 1,1% e as do Banco de Construção fecharam em baixa de 1,0% hoje; nos últimos 13 pregões, ambas acumulam perda de 9%. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.