Crédito já está mais caro para o consumidor

O consumidor já está pagando mais caro para financiar a compra de veículos, usar o cheque especial e a linha de crédito pessoal. Ontem, bancos comerciais, financeiras e bancos de montadoras anunciaram aumento nas taxas de juros entre 0,20 e 0,64 ponto porcentual ao mês. Algumas financeiras ainda não descartam a possibilidade de encurtar os prazos na próxima semana, se o custo de captação do dinheiro no mercado futuro não ceder após a reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), marcada para os dias 22 e 23 deste mês.O Bradesco, maior banco privado do País, aumentou ontem em 0,20 ponto porcentual as taxas do cheque especial, do crédito pessoal e dos financiamentos para compra de veículos.O Banco Zogbi fez um aumento maior, de 0,35 ponto porcentual nas taxas para todas as linhas de crédito que opera - financiamentos para materiais de construção, móveis, vestuário, eletrodomésticos e crédito para empresas. O diretor-superintendente, Antonio Elias Zogbi Neto, diz que está avaliando o encurtamento do prazo do crediário para compra de veículos de 36 para 24 meses, caso o custo de captação do dinheiro não recue no mercado futuro. Depois da alta da Selic, esse custo passou de 19% para 27% ao ano.Ele observa que o risco de inadimplência deve aumentar com a subida dos juros, por isso acaba sendo mais conveniente encurtar os prazos. Além disso, as instituições financeiras não estão conseguindo fazer captações por prazos mais longos por causa das incertezas. Com isso, se elas mantiverem financiamentos de três anos, ocorre um descasamento entre os prazos de captação e dos empréstimos.Essa análise é compartilhada pelo diretor Operacional do Banco Renner, Igor Bücker. "Por enquanto estamos mantendo o prazo de 36 meses para os veículos." Segundo ele, fazer captação com prazo superior a seis meses está difícil. Ontem, o banco aumentou os juros para os financiamentos de veículos, de 2,5% para 3,10% ao mês. O aumento de 0,60 ponto porcentual foi superior ao dos concorrentes. Bücker explica que optou por um aumento maior porque há expectativa de que o Copom suba novamente a taxa Selic na próxima semana. Se esse prognóstico se confirmar, seria desconfortável para a financeira aumentar novamente a sua taxa. Por isso, a decisão foi fazer um acerto maior e reduzir a taxa depois, se essa hipótese não se confirmar.Carros O Banco Volkswagen aumentou suas taxas entre 0,5 e 0,64 ponto. A instituição opera com prazos de seis a 48 meses. O juro para financiamento de carros em 36 meses, por exemplo, passou de 2,75% ao mês para 3,39%. Já o Banco Ford optou por aumentos de 0,2 a 0,32 ponto. Nas compras a prazo para pagamento em 30 a 36 meses, o juro mensal passou de 2,93% para 3,19%. Para um modelo Ka GL 1.0, que custa R$ 16.340, a prestação mensal para um financiamento de 24 meses passou de R$ 767,27 para R$ 788,30, com entrada de 20% do valor do carro. Os outros bancos de montadoras devem anunciar novas taxas entre hoje e amanhã.O Magazine Luíza ainda não decidiu se vai aumentar suas taxas. "Não temos nada definido.Vamos observar o mercado no começo da semana e, dependendo da nossa necessidade, podemos subir ou não", diz o diretor de compras da rede, com 117 lojas, João Bhosco Cordeiro. Segundo ele, se for o caso de aumentar, o acréscimo deverá ficar entre 0,30 e 0,50 ponto porcentual e não deverá ser feito antes do meio da semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.