Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Crédito: juros para consumidor podem subir

O Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu ontem elevar a taxa básica de juros (Selic) de 16,25% para 16,75% ao ano (veja mais informações no link abaixo). Isso pode provocar uma alta de juros também para o consumidor, pois o custo do dinheiro para os bancos e financeiras aumentou. Algumas instituições já estudam elevar suas taxas.Na Fininvest, os juros ficarão estáveis por, pelo menos, mais quinze dias. Depois disso, segundo informações da Assessoria de Imprensa da instituição, as taxas serão reavaliadas. Os juros cobrados atualmente estão em vigor desde o início do ano. São eles: para o crédito pessoal, a taxa mensal mínima é de 8,9% e a máxima, 11,9%, com períodos que variam de 2 a 12 meses. Para o Crédito Direto ao Consumidor (CDC), a taxa média mensal é de 6,5%, com prazos que variam de acordo com cada lojista.Já a financeira Losango, segundo sua Assessoria de Imprensa, garante que os juros ficarão nos patamares atuais apenas até a manhã. Para a próxima semana, ainda não há uma definição do que vai acontecer. Os juros atuais estão em vigor há dois meses. No CDC, varia de 4,78% a 7,98% ao mês. No caso do empréstimo pessoal, a taxa média mensal é de 10,7%, com prazos de 2 a 12 meses.Algumas instituições já reajustaram taxasA financeira Creditec elevou suas taxas de juros na semana passada. Para as operações de crédito pessoal, as taxas máximas passaram de 10,80% para 11,5% ao mês. Já a taxa mínima permanece estável em 3% ao mês. De acordo com Levy Fonseca, gerente da marketing da instituição, o custo do dinheiro já vinha se mantendo em patamares elevados há vários dias. "O repasse tinha que ser feito", afirmou.No Banco Ford, as taxas de juros para o financiamento de veículos zero-quilômetro também foram reajustadas hoje. Nos planos com 20% de entrada, a alta foi verificada nas operações em até 48 meses. A taxa mensal subiu de 2,34% para 2,48%. Para financiamentos com 50% de entrada em 36 meses, a taxa passou de 2,19% para 2,33% ao mês (veja mais informações no link abaixo).

Agencia Estado,

24 de maio de 2001 | 19h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.