Crédito: oferta em expansão em janeiro

A oferta de crédito mantém-se em ritmo acelerado neste começo de ano. Nos 12 primeiros dias de fevereiro, a média diária de consultas para venda a prazo da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) está 25,8% maior que em igual período de 2000, mantendo o ritmo de alta registrado em janeiro.Essa expansão das vendas financiadas e o acúmulo de despesa extra, típico do começo de ano, já provocou um repique na inadimplência. Em janeiro, o atraso acima de 30 dias do crediário atingiu 9,6% do total de consultas, segundo a ACSP. Em 2000, esse indicador era de 5%. Na análise do economista da ACSP, Emílio Alfieri, ainda é cedo para interpretar esse repique do calote como uma tendência. Ele pondera que o resultado obtido em janeiro de 2000 foi atípico, lembrando que em janeiro de 1999 e de 1998, o índice de atraso foi de 10,6% e de 11,1%, respectivamente. Segundo Henrique Pereira Gomes, presidente da Acrefi, associação que reúne as financeiras, os índices de atrasos neste começo de ano estão estáveis. Para ele, um sintoma de que o quadro não foge da normalidade é que a oferta de crédito continua crescente. A Losango, uma das maiores financeiras do mercado, bateu na última segunda-feira recorde no volume de empréstimos pessoais. Segundo o diretor, Leonel Andrade, é provável que o cliente esteja buscando recursos no crédito pessoal para saldar outras dívidas. Ele conta que o índice de inadimplência em janeiro está igual ao registrado no mesmo mês de 2000. "Estamos olhando com atenção esse desempenho, mas, por enquanto, não vamos mexer nos juros." Ele pondera que algumas financeiras exageraram no alongamento de prazos e agora estão sentindo impacto no calote, o que não seu caso.A Creditec, que dobrou a oferta de crédito em janeiro deste ano ante igual período de 2000, detectou em janeiro repique no calote, mas não está disposta aumentar os juros. O Banco Cacique registrou alta de um ponto porcentual no atraso acima de 60 dias de dezembro para janeiro e disse que já está reavaliando pontualmente as taxas de algumas lojas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.