Crédito para aposentados é mais caro que o anunciado

Grandes bancos privados cobramjuros mensais acima de 2,8%, superando o limite recomendadopelas centrais sindicais nos empréstimos concedidos aaposentados e vinculados ao pagamento do benefício daPrevidência Social. Dados do Ministério da Previdência Socialmostram que, desde setembro de 2004 até o início deste mês, maisde 3 milhões de aposentados e pensionistas recorreram aoempréstimo consignado. Com isso foram despejados na economia R$6,8 bilhões.Também o custo financeiro efetivo embutido nessesempréstimos, que inclui a Taxa de Abertura do Crediário (TAC) eo Imposto sobre Operações Financeiras (IOF), além dos juros, émaior do que a taxa anunciada pelas instituições financeiras.Neste caso, até nos financiamentos a aposentados concedidospelos bancos oficiais, nos quais os juros são menores do que 2,8% ao mês, o custo efetivo desses empréstimos supera o limiterecomendado pelas centrais.A Força Sindical lançou na semana passada uma campanhapublicitária de rádio e TV em São Paulo, Rio de Janeiro, MinasGerais, Pernambuco e Distrito Federal para alertar osaposentados. A orientação é que o pensionista não aceite umcusto efetivo do empréstimo, já com juros, TAC e IOF, acima de 2,8% ao mês. "É uma exploração. Tem banco cobrando até 6% ao mês",diz o presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva.O Ministério daPrevidência informa, por meio de sua assessoria, que não hálimites fixados para os juros, mas que, na prática, as taxasvariam entre 1,5% e 3,9% ao mês para essa modalidade deempréstimo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.