Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Crédito para imóveis crescerá no País mesmo com crise

O ciclo de expansão do crédito imobiliário no Brasil deve seguir em ritmo acelerado este ano, apesar das preocupações sobre uma recessão nos Estados Unidos e risco de contaminação mundial. Nas projeções dos bancos, não há espaço para pessimismo. A expectativa "conservadora" para este ano é emprestar, apenas com recursos da poupança, cerca de R$ 23 bilhões para a tão sonhada compra ou construção da casa própria - um aumento de 26% em relação aos R$ 18,3 bilhões do ano passado. Com os recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), linha de financiamento que só no fim do ano passado começou a ser operada também pelos bancos privados, esses valores devem aumentar ainda mais. Uma das explicações para o elevado otimismo é a ainda baixa relação entre os financiamentos e o Produto Interno Bruto (PIB). Segundo dados do Banco Central (BC), o crédito imobiliário representa hoje apenas 1,7% do PIB. No Chile, esse número é de 15%; no México, de 11%; e, na Espanha, de 44%. Junta-se a isso o fato de o Brasil ter um déficit habitacional estimado em 8 milhões de unidades, segundo o presidente da Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), Luiz Antonio Nogueira de França. Segundo ele, com a expansão prevista para este ano, o crédito imobiliário deve atingir 2,3% do PIB e, no ano que vem, 3,6%. Essa relação só chegaria a 10% do PIB em 2015 - ou seja, o espaço para crescimento ainda é enorme, garantem os especialistas. "O crédito imobiliário no Brasil está no começo. No mundo, a modalidade representa 70% do volume de crédito para pessoa física. Por aqui, não passa de 20%", diz o superintendente de crédito imobiliário do Citibank, João Rigobello. Segundo ele, para atingir índices internacionais, o País terá de começar a destinar cerca de R$ 30 bilhões por ano para o setor.De acordo com os bancos, a faixa de financiamento que crescerá mais a partir deste ano é aquela voltada para a classe média, entre R$ 100 mil e R$ 120 mil. "Esse valor médio vai reduzir a cada ano. Antes, a alta taxa de juros e os prazos reduzidos excluíam boa parte da população, pois a parcela não cabia no bolso dos consumidores", explica o vice-presidente do Bradesco, Norberto Barbedo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo

AE, Agencia Estado

04 de fevereiro de 2008 | 08h58

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.