Crédito para indústria automotiva expandirá exportações

A linha de crédito para as exportações da indústria automotiva, apresentada na última quinta-feira pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social (BNDES) - que salta de 30% para 55% do valor total da exportação - deverá melhorar as vendas externas da indústria brasileira e garantir a atividade do parque industrial. A avaliação foi feita nesta sexta-feira pelo ministro do trabalho, Luiz Marinho, durante entrevista coletiva concedida no Sindicato dos Comerciários de São Paulo, no centro da capital paulista."Atendemos a uma demanda das empresas para garantir o financiamento das exportações", observou. Ele destacou também a inserção no contrato do BNDES de uma "cláusula social" redutora em 0,7 ponto porcentual do spread bancário a ser cobrado das indústrias caso mantenham ou aumentem o número de trabalhadores. "Quem se comprometer com a manutenção dos empregos terá o bônus no spread e quem não se comprometer seguirá pagando os juros normais", reiterou.Ao tratar do setor automotivo e das dificuldades que vem enfrentando para manter as exportações, Marinho ponderou que o caso da Volkswagen, que pretende demitir cerca de 6 mil trabalhadores até 2008, deve ser considerado à parte. "A Volkswagen é um capítulo a parte porque a empresa esta em processo de reestruturação não somente no Brasil, mas mundialmente. O governo não pode determinar se a empresa faz ou não uma reestruturação e esse processo deve ser negociado entre a direção da empresa e os representantes dos trabalhadores", explicou. "O governo só pode se colocar a disposição das duas partes para intermediar o diálogo", acrescentou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.