Crédito para pessoa física continua caro

Com a decisão de hoje de manter a taxa referencial de juros básica da economia, a Selic, em 16,5% ao ano, o Conselho de Política Monetária não chegou a surpreender os analistas. De qualquer forma, mesmo que a Selic não volte a baixar, os juros das operações de crédito para pessoa física ainda têm muito espaço para cair. Isso acontece porque o governo toma muito dinheiro emprestado, sobrando pouco para o consumidor e para as empresas. Assim, os juros pagos para financiamentos, empréstimos, cheque especial, crediário, cartão de crédito etc. ficam muito mais elevados do que a Selic. Além disso, como o governo brasileiro absorvia a maior parte dos recursos disponíveis no mercado nos anos de inflação alta, as instituições financeiras acostumaram-se a emprestar quase que exclusivamente para o Tesouro. Hoje, elas apresentam dificuldades operacionais em conceder créditos para indivíduos e empresas e resistências em abaixar os juros. De qualquer forma, o consumidor, na medida que aceita créditos a juros em taxas tão exorbitantes, deixa de exercer pressão junto às instituições financiadoras para que os juros das operações de varejo acompanhem a queda da Selic.Exemplos de taxas de juros para pessoa físicaPara se ter uma idéia de como os juros ao consumidor são altos, basta verificar que a taxa Selic de 16,5% ao ano corresponde a 1,28% ao mês. Nos bancos, as taxas de juros do cheque especial variam entre 7,50% ao mês, no BBV e 10,50% ao mês, no Santander. No BBV e no Banespa, a taxa de empréstimo pessoal, de 2,95% ao mês, é a menor entre as instituições financeiras. O Itaú cobra a maior taxa de empréstimo pessoal do mercado, de 4,90% ao mês. No cartão de crédito, o cartão Visa do Bradesco cobram 12% ao mês para pagamentos atrasados, os juros mais altos do mercado, enquanto que no Banespa, o cartão Visa afinidades tem o juro mais baixo, que oscila entre 4,20% a 5,47% ao mês. A cobrança nos cartões emitidos pela Credicard varia de 9% a 11,5% ao mês.Verifique, no link abaixo, as taxas praticadas pelas instituições para pessoa física.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.