Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Crédito pode ser negado mesmo sem nome sujo

Não ter o nível mínimo de score estabelecido pode fazer com que crédito seja negado

Fábio Gallo, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2019 | 05h44

Tenho lido reportagens sobre os COEs e ainda não consegui entender se há vantagens para o investidor comum, acostumado com fundos e renda fixa.

Os Certificados de Operações Estruturadas (COE) são uma boa alternativa para esse tipo de investidor. Nosso mercado está entrando em uma nova fase para os investimentos, é importante ter alternativas que busquem maior rendimento, sem deixar o investidor exposto a alto grau de risco. O COE une produtos de renda fixa e renda variável em um só título. Esses certificados montam em único instrumento mais de uma classe de ativos, permitindo que o investidor acompanhe o desempenho do título mais facilmente, com uma única tributação. O imposto do COE observa a mesma tabela regressiva da renda fixa. Caso o investidor faça a diversificação investindo em diversos títulos separadamente, terá de acompanhar cada um dos títulos e arcar com diferentes tipos de tributação. O COE é emitido por bancos e registrado na B3, a Bolsa de São Paulo, estruturado com base em perspectivas de ganhos e perdas, de acordo com o perfil do cliente. Um COE pode conter títulos de renda fixa como CDB, LCI e LCA, bem como renda variável, como ações nacionais ou internacionais, taxa de juros, índices, moedas, derivativos, commodities, etc. O investidor tem à disposição duas modalidades: valor nominal protegido, que tem garantia do valor principal investido; e valor nominal em risco, em que há possibilidade de perda até o limite do capital investido. É importante o interessado pesquisar bastante, verificando os valores mínimos de aporte, tirando dúvidas sobre cenários de ganhos e perdas possíveis, prazos de vencimento e, principalmente, buscando um título compatível com seu perfil de investimentos.

Não consegui um cartão de crédito por restrições, embora não tenha nome negativado na Serasa. Isso é possível?

Sim, você pode ter seu crédito recusado por estar com o nome negativado em uma das bases das três empresas do setor ou por não ter nota (ou score) de crédito suficiente. As empresas que oferecem o serviço de proteção ao crédito são Serasa Experien, SPC Brasil e SCPC Boa Vista. Apesar de muito semelhantes, são empresas distintas. O SPC Brasil tem sua base alimentada principalmente pelo setor lojista; as outras duas estão presentes no comércio e no segmento financeiro. Assim, seu nome pode estar negativado em uma delas e não estar nas outras. Mas, usualmente, as empresas que concedem o crédito consultam todas elas, assim, tendo o nome sujo em qualquer base é muito difícil escapar e conseguir crédito. Para saber se você consta como inadimplente, basta consultar seu CPF no site das empresas. Pode ocorrer também de você não ter o nome negativado, mas não ter o nível mínimo de score estabelecido pelo cartão de crédito. O score de crédito é como um mapa da sua vida financeira: considera renda, emprego, idade, onde mora, bem como todo seu histórico financeiro, como contas bancárias, cartões de crédito, crediários em lojas, execuções judiciais, participação em empresas com problemas, inadimplência, etc., com pontuação de zero a 1.000 pontos. Se você pedir um cartão de crédito que tenha como nota de corte 500 pontos e estiver abaixo desse nível terá o cartão negado. Esse é um dos motivos que tornam o Cadastro Positivo importante: ele não considera apenas o nível de crédito, mas todo o histórico de pagamentos do consumidor, permitindo que a análise de crédito considere um conjunto maior de fatores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.