Crédito: principais dicas para evitar golpes

O delegado Manoel Camassa do Departamento de Investigações sobre Crimes Patrimoniais (Depatri) dá algumas dicas essenciais para o consumidor não cair no golpe do anúncio de jornal. Os classificados estão se tornado perigosos. "Cuidado com os golpistas eles estão agindo com recursos cada vez mais sofisticados" alerta Camassa.- O consumidor não deve se iludir com anúncios chamativos, que oferecem ofertas sedutoras e muitas facilidades em investimentos, consórcios, empréstimos, carros, ofertas de empregos etc. Esta é a principal isca dos golpistas na hora de enganar os consumidores.- Telefones fixos e celulares que são atendidos por secretária eletrônica ou caixa postal na primeira ligação são a principal característica do golpe. No recado, os golpistas pedem para o interessado deixar o nome e o número de telefone. O retorno é feito no mesmo dia. - O consumidor não deve preencher documentos enviados por fax ou correspondência. - Mesmo interessado pelo negócio, o consumidor não deve fechar negócio por telefone, especialmente por aparelho celular, o mais usado em golpes.- Cuidado com os estelionatários, eles são verdadeiros atores. Os golpes são uma simulação perfeita. Os golpistas se fazem de difíceis, simulam estar fechando outros negócios enquanto falam com a vítima. Eles nunca se mostram ansiosos para fechar o negócio. Eles sempre deixam a vítima à vontade para decidir.- O consumidor não deve depositar dinheiro em conta de empresa ou pessoas desconhecidas. Os golpistas sempre pedem dinheiro de adiantamento, taxas extras e de seguro-fiança. Depois de receber o dinheiro, eles somem. - A substituição de garantias de crédito, como fiador ou avalista, por seguro-fiança é típica de golpe.- O consumidor deve verificar a documentação da empresa e a sua situação legal nos órgãos competentes e nos órgão de defesa do consumidor, como Procon e Idec.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.