Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Crédito tributário será devolvido logo

Governo quer garantir capital de giro às empresas; Receita nega que fará blitz para compensar queda na arrecadação

Adriana Fernandes, O Estadao de S.Paulo

16 de dezembro de 2008 | 00h00

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, determinou à Receita Federal que acelere a devolução dos créditos tributários das empresas. O objetivo é dar alívio financeiro aos contribuintes que enfrentam aperto de caixa e têm dificuldade para financiar o capital de giro. Em nota distribuída ontem à noite, a Receita informou que não adotou nenhuma medida que implique "aumento da pressão fiscal dos contribuintes". A nota foi uma resposta à reportagem do Estado, publicada sábado, que revelou conteúdo de e-mail da secretária da Receita, Lina Maria Vieira, aos superintendentes do órgão determinando diligências fiscais nas grandes empresas para inibir a inadimplência "através de efetiva presença fiscal". A revelação do conteúdo do e-mail causou mal-estar no Ministério da Fazenda porque, na mensagem, a secretária informa que a arrecadação da Receita caiu R$ 3,2 bilhões em novembro em relação à previsão do governo. "A orientação contida no e-mail destinado aos superintendentes da Receita Federal não adota nenhuma medida que implique pressão fiscal, como blitz ou operações especiais", diz a nota. A reportagem qualificou de "blitz" essa ação, que vai atingir inicialmente 400 empresas, segundo a Receita. Na nota, a Receita diz que a atual administração não inovou em matéria administrativa, mas deu curso aos procedimentos de controle aos quais está vinculada pelo "princípio da reserva legal". Segundo a Receita, o acompanhamento dos grandes contribuintes é rotina para monitorar o desempenho da arrecadação amparada em duas portarias internas de 2007. A demora do governo na devolução dos créditos tributários é uma reclamação antiga dos empresários. No último dia 1º, o próprio Mantega informou que estava "montado um esquema", durante o 7º Seminário da Indústria Brasileira da Construção, na capital paulista. Na ocasião, Mantega qualificou essa ação de "capital de giro na veia" para as empresas. O presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto, defendeu a ampliação do prazo de pagamento de impostos para médias, pequenas e microempresas. Segundo ele, as medidas de alongamento de prazos já adotadas pelo governo federal não foram suficientes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.