Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Credores da Chrysler abandonam disputa contra reestruturação

Colapso da oposição remove último obstáculo aos esforços do governo Obama para reorganizar a montadora

Danielle Chaves, da Agência Estado,

08 de maio de 2009 | 17h17

Um grupo de credores da Chrysler contrário ao plano de reestruturação da companhia elaborado pelo governo dos Estados Unidos concordou em abandonar a disputa depois de decidir que os custos financeiros e políticos seriam muito altos, de acordo com gestores de fundos e com um advogado do grupo citados pelo Wall Street Journal.

 

Veja também:

linkVeja detalhes do pedido de concordata da Chrysler

linkAcompanhe a trajetória da Chrysler até o pedido de concordata

linkConheça o perfil da montadora norte-americana

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialAs medidas do emprego

especialDe olho nos sintomas da crise econômica 

especialDicionário da crise 

especialLições de 29

especialComo o mundo reage à crise 

 

Os credores retiraram sua queixa nesta sexta-feira, 8, depois que dois grandes fundos, o OppenheimerFunds e o Stairway Capital, abandonaram o grupo. Os dois fundos indicaram que vão aceitar o resultado do processo de concordata da montadora.

 

O colapso da oposição organizada removeu o último obstáculo significativo aos esforços do governo de Barack Obama para reorganizar a Chrysler rapidamente. A companhia pode agora sair do processo de concordata já no próximo mês com uma nova aliança com a italiana Fiat.

 

Na semana passada, um grupo de cerca de 20 credores se recusou a aceitar um acordo, formulado pelo Departamento do Tesouro dos EUA e quatro grandes bancos, para trocar US$ 6,9 bilhões em dívida da Chrysler por US$ 2 bilhões em dinheiro. Agora restam apenas cinco credores que se opõem ao plano de reestruturação do governo.

 

Embora tenham aceitado retirar a queixa contra a reestruturação, esses fundos seguem contrários à oferta de troca de dívida proposta pelo governo. "Essa não é uma briga sobre dinheiro. É uma briga sobre princípios e sobre a defesa do que é certo, mesmo se essa for uma decisão impopular", afirmou Geoffrey Gwin, diretor do Group G Capital, um dos fundos credores da Chrysler.

 

O grupo de credores se opôs ao JPMorgan Chase & Co. e a outros grandes bancos que receberam US$ 90 bilhões em financiamento do governo sob o Programa de Alívio de Ativos Problemáticos (Tarp) e estavam muito mais propensos a eliminar boa parte das dívidas da Chrysler.

 

"Ser um grupo tão pequeno tentando combater a força do governo deixou os fundos muito desconfortáveis", disse Tom Lauria, um advogado do escritório White & Case que foi contratado em abril para representar os credores. "No fim, eles concluíram que o custo político para suas instituições seria muito alto", acrescentou Lauria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.