Divulgação
Divulgação

Credores devem prorrogar dívida da Sete Brasil

Acerto entre os bancos e a empresa deve ocorrer até o início do próximo ano; entrada de novo sócio também ficará para 2016

Mônica Scaramuzzo, Antonio Pita, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2015 | 02h03

A dívida de US$ 3,6 bilhões da Sete Brasil com cinco bancos credores, com vencimento previsto para ontem, será novamente prorrogada até o próximo ano, apurou o 'Estado'. As instituições financeiras decidiram não executar as dívidas temendo ampliar as perdas com a empresa e aguardam aportes de novos sócios, no próximo ano, para reaver os valores investidos.

A previsão é que o acordo entre a empresa e a Petrobrás, para reestruturação do contrato, seja formalizado em até duas semanas. A estatal alega que há pendências na documentação das empresas operadoras. Só após a regularização, o tema será discutido na diretoria e encaminhado ao conselho de administração da estatal para aprovação. A previsão atual é que apenas 14 sondas fiquem com a Sete Brasil, que deve receber aporte de novo sócio em 2016.

As dívidas da empresa com os bancos já tinham sido adiada outras duas vezes. Pesou sobre a decisão o valor previsto de devolução, caso a dívida fosse executada - cerca de 30% do total. "Não é vantagem para os bancos entrarem com a execução", disse uma fonte próxima à negociação. As discussões sobre o pagamento dessa dívida ocorrem há dois meses e se intensificaram nos últimos dias. "Um acordo deve ser fechado até o início do ano", completou.

Os bancos credores são também acionistas do negócio e a execução das dívidas significaria enterrar o investimento já realizado. Participam do capital da Sete Brasil, a Caixa Econômica Federal, Santander, Bradesco, Itaú e o Banco do Brasil, que detém a maior parte da dívida. Além deles, também o BTG Pactual é acionista, juntamente com os fundos Petros, Funcef, Valia e da própria Petrobrás. Um acordo entre as instituições financeiras deve prorrogar o prazo de pagamento até o início do próximo ano, quando são esperados aportes de um novo sócio à empresa.

Também não está descartado que, até lá, o empréstimo negociado com o BNDES seja liberado. Para este ano, entretanto, o aporte já foi descartado pela Sete Brasil e pelo próprio banco, que não incluiu o financiamento de US$ 3 bilhões entre os desembolsos previstos até dezembro. Sem o financiamento, a empresa tem caixa para operar até o primeiro semestre do próximo ano. A esperança está nos aportes previstos com os contratos de operação das sondas - principal entrave no acordo entre a gestora das sondas e a Petrobrás.

A Sete Brasil manteve conversas com a norueguesa Seadrill para aporte de US$ 1,2 bilhões, mas segundo as fontes ouvidas pelo Broadcast, serviço em tempo real da Agência Estado, uma outra empresa estaria à frente na negociação.

Cada operadora deverá assumir até cinco sondas. As empresas foram indicadas pela própria Petrobrás, em uma lista com seis opções. A Sete, entretanto, queria assumir a operação de parte das unidades para garantir a rentabilidade aos investidores.

O projeto atual envolve a construção de 18 sondas - 14 da própria Sete Brasil e outras quatro que serão revendidas para o grupo asiático Kawasaki. O grupo vai finalizar a construção das sondas que estavam sob responsabilidade do estaleiro Enseada, que desistiu do projeto. Os estaleiros estão desde outubro sem aportes da Sete Brasil para manter a construção de sondas. "Os estaleiros já foram informados que o pagamento não será feito este ano, mas vão continuar a construção", disse a fonte.

Toda a reestruturação da companhia, entretanto, ainda depende de aprovação de acordo entre a Sete Brasil e a Petrobrás. Técnicos das duas empresas se reúnem semanalmente para discutir uma minuta de contrato com as novas especificações e detalhes do acordo. A Petrobrás esperava reduzir o valor do aluguel diário previsto nos contratos, acima de US$ 430 mil quando, no mercado internacional, há sondas negociadas abaixo de US$ 400 mil.

A avaliação entre os bancos é que a negociação avançou nos últimos dias e um acordo está "próximo". "Faltam apenas uns detalhes burocráticos. Um documento que não foi entregue por um dos operadores", disse a fonte. A pendência está relacionado à habilitação da empresa no cadastro de fornecedores da Petrobrás. Até que haja uma solução, o tema não será pautado na reunião da diretoria ou no conselho de administração da estatal. Procuradas, Petrobrás e Sete Brasil não se manifestaram.

Mais conteúdo sobre:
Sete BrasilPetrobrás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.