Credores tomam posse de três fazendas da Boi Gordo

Representantes dos 35 mil credores da Fazendas Reunidas Boi Gordo, que teve a falência decretada em abril deste ano, tomaram posse hoje das três fazendas que o grupo possui em Itapetininga, na região de Sorocaba. As áreas das fazendas Realeza, Vitória e Eldorado somam 1.100 hectares e serão objeto de venda através de leilão.Segundo o advogado José Luiz Silva Garcia, presidente da Associação dos Lesados pela Boi Gordo (ALBG), esse foi o primeiro passo efetivo para o ressarcimento dos prejuízos de mais de R$ 1 bilhão que o grupo causou aos seus investidores.As ações de arrecadação do patrimônio da empresa falida vão se estender às 110 fazendas espalhadas por vários Estados. Garcia acredita que as terras e benfeitorias podem ser suficientes para cobrir a maior parte das dívidas deixadas pela Boi Gordo. A ordem de retomada das propriedades foi dada pela juíza Márcia Cardoso, da 1ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo, onde tramita o processo de falência.O processo de falência da Boi Gordo é o maior em andamento no Brasil, tanto em número de credores quanto em patrimônio. As 110 fazendas somam 270 mil hectares. As terras, valorizadas pela soja, alcançam pelo menos R$ 4 mil o hectare. O ex-presidente da Boi Gordo não foi encontrado pela reportagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.