Cresce a importância do armazenamento de energia
Conteúdo Estadão Blue Studio

Cresce a importância do armazenamento de energia

Brasil segue tendência mundial e investe no setor

Estadão Blue Studio, O Estado de S.Paulo

18 de agosto de 2021 | 12h09

Em tempos de crise de energia no Brasil e mudanças climáticas em todo o mundo, vários países decidiram mergulhar no desenvolvimento e nas aplicações de sistemas de armazenamento de energia. No Brasil, esse caminho é fundamental, uma vez que permite o uso combinado de várias fontes de energia limpa, como a solar, eólica e hídrica.

Segundo a consultoria internacional Wood Mackenzie, que monitora o setor em todo o mundo, a quantidade de energia armazenada no planeta inteiro deve crescer uma média anual de 31% até 2030, o que vai significar uma armazenagem de 741 gigawatts-hora.

No Brasil, os números apresentados em um estudo da Greener e da NewCharge mostram  que a capacidade instalada em 2030 poderá chegar a 18 gigawatts-hora. O que deverá gerar um faturamento de R$ 40 bilhões.

“O armazenamento é a chave para o forte crescimento das energias renováveis. A questão é se o armazenamento pode capturar fluxos de receita estáveis de longo prazo. O armazenamento de baixo custo e de longa duração pode competir cada vez mais com o carvão, o gás natural e a hidrelétrica, permitindo níveis mais altos de penetração solar e eólica”, afirmou Le Xu, analista sênior da Wood Mackenzie, durante o lançamento do estudo da consultoria internacional.

Os sistemas de energia, que vieram para ficar, são formados por três conjuntos básicos de equipamentos. As próprias baterias, os dispositivos que ajudam a regular os níveis de carga armazenada e um terceiro aparelho que transforma a energia estocada nos níveis de tensão, corrente e frequência adequados. Os especialistas do setor, tanto da academia quanto da iniciativa privada, são unânimes em dizer que o armazenamento em bateria vai provocar uma importante mudança no sistema elétrico mundial.

Entre as vantagens dessa tecnologia, o que é muito importante para o Brasil, está a possibilidade de, na origem, na geração elétrica, ocorrer a integração de fontes renováveis intermitentes como a solar e a eólica. O armazenamento pode ser aplicado na geração, na transmissão e na distribuição. A maioria dos projetos piloto em curso até agora, e vários estão sendo feitos na iniciativa privada em parceria com órgãos de pesquisa, mostra que a segurança na geração e a qualidade da energia estão garantidas. Além disso, como se pode jogar energia armazenada nas redes durante os momentos de pico, o modelo tarifário brasileiro também poderá evoluir nos próximos anos, à medida que os sistemas de armazenamento forem avançando. Ou seja, a energia deve ficar mais barata.

Atualmente, um dos maiores projetos de armazenamento de energia em montagem no País é o da Vale. O objetivo é colocar para funcionar um conjunto de dispositivos que vão ter a capacidade de estocar até 10 MWh, o que, na prática, vai diminuir a conta de energia da empresa durante o horário de pico. A companhia pretende usar baterias de íon-lítio, uma das principais tecnologias que estão sendo desenvolvidas em termos mundiais atualmente. Nem sempre sem risco, como mostrou o incêndio recente em uma das maiores unidades de produção desse tipo de bateria no mundo, da Tesla. O fogo na planta da Austrália demorou três dias para ser controlado.

No caso brasileiro, um dos gargalos que precisam ser enfrentados, segundo as empresas, é o da regulamentação do setor, que ainda tem muitas arestas para serem aparadas. Em paralelo às questões regulatórias, o avanço científico e tecnológico tem sido significativo. Em 2017, a Aneel aprovou 23 projetos de pesquisa e desenvolvimento para o setor. Atualmente, eles estão em fase de implantação. Vários grupos em universidades como USP, Unesp e Unicamp e em outros Estados brasileiros trabalham em projetos de inovação voltados para o armazenamento de energia também.

 

Conteúdo produzido pelo estadão blue studio, a área de conteúdo customizado do estadão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.