Cresce cobrança da Brasil Telecom sobre banqueiro Daniel Dantas

Já soma mais de R$ 600 milhões o valor cobrado na Justiça pela Brasil Telecom (BrT) ao banqueiro Daniel Dantas, dono do Opportunity, a título de ressarcimento por gestão fraudulenta no período em que ele esteve à frente da operadora. O valor resulta da soma dos valores contidos na ação movida pela BrT na Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e em queixa-crime na Polícia Civil de São Paulo, fóruns em que Dantas é acusado de gestão temerária, apropriação indébita e pagamento de despesas alheias aos interesses da operadora e de seus sócios.Entre as irregularidades alegadas pela Brasil Telecom contra o banqueiro estão o pagamento continuado de funcionários e a cobertura de gastos de seu banco com dinheiro da BrT; a compra indevida da Telemig Celular e um contrato de leasing de jatinhos para desfrute do Opportunity e dos interesses pessoais de Dantas. Estão também relacionados contratos "supervalorizados" com as agências de publicidade do empresário Marcos Valério, operador do mensalão, esquema de distribuição de dinheiro para beneficiar o PT e partidos governistas.Só com operações irregulares, conforme o balanço da operadora, os prejuízos somam R$ 410 milhões. Nesse valor estão incluídos R$ 48 milhões gastos com a contratação da empresa de investigação internacional Kroll para espionar desafetos do banqueiro, além de autoridades do governo, crime investigado em outro inquérito, da Polícia Federal. O restante do prejuízo alegado pela Brasil Telecom está no contexto da gestão temerária, configurada no registro de pagamentos como os efetuados a escritórios de advocacia, no valor de R$ 20 milhões, que Dantas contratou para se defender depois que o escândalo da Kroll veio à tona em 2004. A bisbilhotagem motivou processos contra o banqueiro e a ex-presidente da Brasil Telecom Carla Cico.Os escritórios contratados são os dos advogados Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, de Brasília, amigo do ex-ministro José Dirceu, e o do criminalista Nélio Machado, de São Paulo. Os outros R$ 28 milhões foram pagos à própria Kroll pelo trabalho de espionagem.As ações em curso na CVM e na polícia paulista são de natureza cível, para ressarcimento de danos, e atingem Dantas, na condição de ex-sócio-controlador da operadora, além de Carla Cico. Por isso, a Polícia Federal desmente a versão divulgada por fontes do Judiciário de que a investigação se estende aos advogados contratados pela Brasil Telecom. Formalmente, os advogados não constam como investigados e,no processo cível, também não são réus.Na PF, Dantas responde a dois inquéritos. Um deles é pela espionagem da Kroll - em que já está indiciado pelos crimes de corrupção, violação de sigilo e formação de quadrilha. O outro é por conta do chamado dossiê DDD. Atribuído ao empresário pela revista Veja, o dossiê conteria dados não comprovados da existência de contas bancárias em nome do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e de altas autoridades brasileiras em paraísos fiscais, entre as quais o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e o diretor-geral da PF, Paulo Lacerda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.