Cresce endividamento do setor automotivo, alerta Serasa

As indústrias automotivas brasileiras estão cada vez mais endividadas e com menor rentabilidade. Esta é a conclusão de estudo apresentado hoje pelo diretor de Produtos de Pessoa Jurídica da Serasa, Laércio de Oliveira Pinto. Segundo ele, o faturamento das montadoras foi de R$ 46 bilhões, no ano passado, enquanto o setor de autopeças faturou R$ 16,6 bilhões. O endividamento bancário das empresas do setor automotivo foi de 62% sobre o patrimônio, em média, no ano passado. Em 2002, esse patamar era de 56% sobre a receita e, no ano anterior, estava em 41%. Oliveira Pinto afirma que, em média, as companhias trabalharam 36 dias para pagar financiamentos no ano passado. A margem de lucro bruto sobre as vendas das companhias do setor caiu de 6,8%, em 2002, para 4,7% em 2003. O retorno sobre o investimento recuou de 18% para 14%, na mesma comparação. Para 2004, ele projeta um aumento de 7% na inadimplência na cadeia automotiva. De acordo com a Serasa, houve 214 milhões de títulos protestados na indústria automotiva brasileira em 2003, o que representou 3,1% do total de 6,9 bilhões de protestos no período. Para este ano, o diretor prevê um crescimento no número de protestos no setor para 229 milhões, o que significa 3,3% sobre o total de 6,8 bilhões de protestos estimados. Pinto afirma que o faturamento de toda a indústria automotiva apresentou queda real de 2,7% sobre 2002, descontada a inflação. Ele ressalva que os números são extra-oficiais. O diretor participou do 7º Painel Setorial da Serasa, realizado hoje em São Paulo.

Agencia Estado,

23 Março 2004 | 12h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.