Cresce estoque de combustível nos EUA; petróleo sobe menos

Os preços dos contratos de petróleo negociados no mercado futuro recuaram depois da divulgação dos relatórios sobre as condições dos estoques de petróleo, gasolina e derivados na semana passada nos EUA. Os analistas esperavam queda de 330 mil barris nos estoques de gasolina norte-americanos durante a semana passada, mas os estoques subiram 3,4 milhões de barris, no cálculo do DOE, e em 2,089 milhões, pela avaliação do API. A desaceleração dos preços não chegou a inverter a alta dos preços, mas reduziu esta elevação. Às 12h09 (horário de Brasília), o contrato de petróleo com vencimento em novembro negociado na Nymex (Bolsa de Nova York) subia 1,51% para US$ 67,10 o barril. Chegou a US$ 68,10 o barril na cotação máxima. Furação Rita O temor de que o furacão Rita danifique o restante das instalações das companhias de petróleo da costa norte-americana do Golfo do México assegura a alta do mercado. O furacão, elevado à categoria 4, deve atingir a costa do Texas no sábado de manhã, entre Lavaca Bay e Galveston Bay. O condado de Galveston, entre Houston e o Golfo, abriga 4% da capacidade de refino de petróleo dos EUA. O Texas como um todo responde por 25% do refino do país. O J.P. Morgan disse, em nota a clientes, que qualquer dano causado pelo Rita terá efeito ampliado pelo fato de somar-se à produção que já foi paralisada pelo furacão Katrina. Segundo informação divulgada ontem pelo Minerals Management Service, 58,5% da capacidade de produção de petróleo dos EUA e 34,8% de gás natural ainda encontram-se suspensas, por conta do Katrina. A BP PLC, a Valero Energy e a Marathon Oil Corp reduziram suspendem suas operações nas refinarias localizadas no condado de Galveston, Texas. Há quatro refinarias ainda fechadas pelo Katrina. A companhia Petroleum Helicopter, de serviço de transportes, estima retirar cerca de 5 mil trabalhadores das plataformas de petróleo situadas no Golfo do México até o fim do dia. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.