Cresce expectativa do consumidor, avalia CNI

O Índice Nacional de Expectativa do Consumidor (INEC) cresceu 0,4% no terceiro trimestre do ano ante o segundo trimestre, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). Ante o mesmo período do ano passado, o aumento é de 3,6%. O INEC é calculado com base na pesquisa de opinião pública feita pelo Ibope, entre 17 e 19 deste mês, com 2 mil entrevistados. O aumento do índice se deveu, segundo a CNI, ao crescimento da esperança de que o desemprego recuará nos próximos seis meses. A pesquisa mostra que essa expectativa aumentou 6,6% do segundo para o terceiro trimestre deste ano. Ante igual período de 2001, esse indicador subiu 18,7%. O INEC é uma média de oito indicadores. Desses, quatro tiveram queda e quatro melhoraram. A perspectiva para o ano corrente caiu 2,7% de um trimestre para o outro e a satisfação com a vida caiu 0,7% no mesmo período. O medo do desemprego cresceu 1,7%, enquanto que a intenção de comprar no último quarto do ano aumentou 1,6%. Essa variação é explicada pela sazonalidade, uma vez que o Natal se aproxima. É mais fácil visualizar a influência da sazonalidade no aumento da intenção de compra quando vistos os indicadores de expectativa referentes à renda. A expectativa de que a renda geral crescerá diminuiu 0,4% do segundo para o terceiro trimestre. A de que a renda própria terá um reforço aumentou 0,1% em igual período comparativo. Outro item importante da pesquisa é o de que aumentou em 3,5% o medo dos entrevistados da volta da inflação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.