Cresce faturamento do comércio em abril, mas previsão é de queda

O comércio varejista da região metropolitana de São Paulo contabilizou em abril um crescimento de 5,41% no seu faturamento real na comparação com o mesmo mês do ano passado, segundo a Pesquisa Conjuntural do Comércio Varejista (PCCV) da Federação do Comércio do Estado de São Paulo (Fecomercio-SP). Mas na comparação com março, o faturamento de abril mostrou uma queda de 4,30%. No acumulado do ano até abril, o faturamento do setor varejista acumula um crescimento de 6,08%.De acordo com os analistas da Fecomercio-SP, quase todos os segmentos do comércio mostraram crescimento em abril, quando comparados com igual mês do ano passado. As exceções foram móveis e decorações e supermercados. Os setores mais dependentes de crédito, como veículos, autopeças, eletrodomésticos, vestuário e calçados, foram os destaques no resultado positivo. Apesar disso, a Fecomercio-SP prevê queda nas vendas nestes segmentos."O próprio resultado do PIB no primeiro trimestre do ano já mostraque esse ciclo de crescimento econômico parece estar no fim. Prova disso é a queda na taxa de investimento e no PIB industrial", afirma o presidente da Fecomercio, Abram Szajman. Segundo ele, com os investimentos em queda, a produção tende a cair em seguida, o que acabará por afetar o consumo, que vem sendo sustentado por um volume de oferta de crédito sem precedentes.Boa parte dessa situação, avalia a Fecomercio, advém das decisões dapolítica monetária, com as constantes altas da taxa de juros. "Isso deverá prejudicar também as exportações, já que os juros altos favorecem a queda do dólar. E com o baixo preço das commodities no mercado internacional o setor agroexportador dificilmente será capaz de manter também um ritmo de crescimento significativo", ressalta Szajman.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.