JF DIORIO/AE
JF DIORIO/AE

Cresce o temor de novo PIB negativo

Resultado ruim dos serviços faz analistas reverem projeções para o 2º trimestre

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

09 de agosto de 2019 | 10h21
Atualizado 09 de agosto de 2019 | 21h43

RIO - Apesar do alívio e da esperança de que a aprovação da reforma da Previdência na Câmara comece a abrir caminho para a retomada da atividade econômica, os dados continuam a mostrar que o desafio será realmente grande. Nesta terça-feira, o IBGE divulgou que o setor de serviços fechou o mês de junho com queda de 1% em relação a maio.

No acumulado do segundo trimestre, houve queda de 0,6% em relação ao primeiro trimestre. O número veio na sequência de dados também fracos da indústria e do comércio, o que aumentou o temor de que uma “recessão técnica”, ou seja, dois trimestres seguidos de queda no Produto Interno Bruto (PIB). No primeiro trimestre, o PIB já havia recuado 0,2%.

Para o economista-chefe do Banco Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, o PIB não escapa de uma queda na passagem do primeiro para o segundo trimestre. “A economia está prostrada. Quem não acha que (o PIB) vai cair acha que vai zerar. Não dá para comemorar isso”, resumiu Gonçalves.

Nos cálculos do economista-chefe da corretora Necton Investimentos, André Perfeito, a atividade econômica deve ter encolhido 0,2% no segundo trimestre. O economista-chefe da Garde Asset, Daniel Weeks, está um pouco mais otimista, à espera de um resultado ainda ligeiramente positivo, graças a alguns números melhores de geração de emprego e da produção de automóveis.

“Mas, de qualquer modo, não deve ser um dado animador e reforça que a retomada vai ser de fato muito gradual, condizente com um PIB de 0,8% em 2019”, disse Weeks, que ainda revisará suas estimativas para a atividade econômica.

O economista Alexandre Lohmann, da consultoria GO Associados, também está revisando suas estimativas para a economia no segundo trimestre – devem ser ajustadas de um crescimento anteriormente previsto de 0,2% para uma estagnação (0%) ou ligeira alta de 0,1%. A Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) já cortou sua projeção para o crescimento do PIB em relação ao primeiro trimestre, embora ainda permaneça positivo: a alta prevista passou de 0,3% para 0,2%.

“O consumo das famílias deve puxar (o PIB para o terreno positivo). Houve alta de 1,2% nos serviços prestados às famílias em relação ao primeiro trimestre. Isso deve ajudar o PIB do segundo trimestre em relação ao primeiro”, disse Fabio Bentes, economista da CNC.

Os serviços prestados às famílias cresceram 4,8% no primeiro semestre do ano em relação ao mesmo período de 2018. Foi o desempenho mais robusto entre as cinco atividades pesquisadas dentro do setor de serviços. “Pode ter relação com algum tipo de renda extra que possa estar sendo auferida pela população”, disse Rodrigo Lobo, gerente da Pesquisa Mensal de Serviços no IBGE, explicando que as famílias gastaram mais com hotéis e alimentação fora de casa.

O pesquisador pondera, porém, que o avanço no semestre foi puxado pelo segmento de hospedagem, que pode ter sido impulsionado por uma forte queda de preços registrada nos últimos anos. O segmento de alimentação fora do domicílio tem mostrado melhora apenas nos últimos dois meses.

FGTS

Na média global, os serviços cresceram apenas 0,6% no primeiro semestre. Os serviços de informação e comunicação (2,6%) tiveram o maior impacto positivo. As perdas ocorreram nos transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-2,7%) e serviços profissionais, administrativos e complementares (-0,3).

Para Fabio Bentes, o segundo semestre será melhor para o setor de serviços, que também deve se beneficiar da liberação de saques do FGTS e PIS/Pasep.

“Para a segunda metade do ano, a expectativa é de melhores resultados da atividade do setor, que deve se beneficiar da melhora da confiança dos empresários e consumidores acompanhando a melhoria do ambiente de negócios, além do estímulo pontual à demanda via liberação dos saques das contas do FGTS”, disseram os analistas Lucas Souza e Thiago Xavier, da Tendências Consultoria Integrada. /COLABORARAM THAÍS BARCELLOS E KARLA SPOTORNO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.