Cresce rumor de mudanças no governo da Argentina

O ambiente financeiro e político da Argentina se deteriora com a velocidade de um meteoro e preocupa os empresários. Nas últimas 24 horas, aumentaram os boatos de mudanças no governo de Cristina Fernández de Kirchner. Os rumores começaram a surgir na semana passada, quando as negociações entre o governo e os dirigentes ruralistas não progrediram, mas um acordo sobre a carne bovina fechado pelo chefe de Gabinete da Presidência, Alberto Fernández, conseguiu acalmar os ânimos. Na segunda-feira (dia 21), o acordo foi derrubado por causa do secretário de Comércio Interior, Guillermo Moreno, ao insistir em pressionar e ameaçar os produtores.A negociação com o campo está travada e o risco de novo locaute está cada vez mais próximo. As mudanças no governo estariam atreladas aos resultados dessa crise política aberta com o setor agropecuário, o mais importante do país. A presidente enfrenta um desgaste tão grande que seu marido, o ex-presidente Néstor Kirchner, idealizou um relançamento de seu governo, previsto para um ato em 25 de maio, feriado nacional que marca o primeiro governo argentino.Enquanto isso, Néstor já ocupou sua cadeira presidencial do Partido Justicialista (PJ), também chamado de peronista, sem passar por eleições internas, da mesma forma como fez quando escolheu a esposa para sucedê-lo. Nos dois casos, os nomes foram decididos entre quatro paredes. Agora só falta a festa da posse de Néstor à frente do partido, mas a data ainda não foi marcada por causa dos conflitos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.