Crescem as vendas de eletroeletrônicos

Depois de três anos consecutivos em queda, as vendas da indústria de eletroeletrônicos voltaram a crescer em 2000 e superaram até mesmo as previsões iniciais dos fabricantes. Os dados, ainda preliminares são da Associação Nacional de Fabricantes de Produtos Eletroeletrônicos (Eletros), que levou em conta o desempenho registrado até novembro e estimou as vendas para este mês. Segundo o presidente da empresa, Paulo Saab, uma conjugação de fatores positivos, como a concorrência entre os fabricantes, redução dos juros, maior oferta de crédito e a queda do desemprego, impulsionou o mercado de bens duráveis neste ano. Os produtos de imagem e som foram os que tiveram o melhor desempenho, com crescimento de 30% nos volumes vendidos, seguidos pelos eletroportáteis com 9% de aumento e pela linha branca, com alta de 5% ante o ano passado. "A surpresa de 2000 é o DVD", afirmou Saab. De janeiro a dezembro, a indústria vendeu 208,7 mil unidades do produto, um volume que é nove vezes o número de aparelhos fabricados no ano passado. O desempenho dos televisores também surpreendeu positivamente a indústria. Inicialmente, a expectativa era de fabricar 4,3 milhões de aparelhos, ante 4,1 milhões de unidades produzidas em 1999. Mas, ao longo do ano, a previsão foi ajustada para 4,5 milhões e, posteriormente, para 4,8 milhões. A última estimativa aponta para 5,2 milhões de televisores, ultrapassando até mesmo a meta do setor, que era atingir 5 milhões de unidades só em 2002.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.