Crescem consultas ao telecheque

As consultas para vendas à vista e com cheque pré-datado cresceram 5,6% entre os dias 1º e 11 de junho, em relação a igual período do ano passado. O motivo são as compras de última hora por ocasião do Dia dos Namorados.Pesquisa do Telecheque da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) - indicador das vendas à vista - mostra que, até o dia 7 de junho, o número de consultas estava 2,5% abaixo do total registrado nos mesmos dias de 1999 e 5,4% menor na comparação com os sete primeiros dias de maio deste ano. A partir de quinta-feira, os números acumulados neste mês ficaram positivos na comparação anual e em relação a maio, registraram alta de 3,9%. De acordo com o economista da entidade, Emílio Alfieri, o aumento das consultas foi impulsionado pelo pagamento do salário, que acabaram alavancando as compras de última hora. A expectativa da ACSP era que o volume de venda à vista deste ano superasse em 5% o registrado em 1999. Os presentes de baixo valor, como CDs, bijouterias, camisetas e tênis, dominaram as vendas neste ano. Consultas para crediários caíram nos primeiros dias de junho Nos 11 primeiros dias de junho, o número de consultas ao SCPC - indicador de vendas a prazo - caiu 5,2% na comparação com os mesmos dias de 1999 e 2,9% em relação a igual período de maio. Até o dia 7 de junho, o recuo no total de consultas ao SCPC era de 3,4% na comparação com junho do ano passado, e queda de 1,2% em relação a maio deste ano. Faturamento cresceu no Dia dos Namorados Pesquisa preliminar da Associação dos Lojistas de Shoppings (Alshop), com 22 shoppings, revela que o faturamento das lojas até o dia 11 de junho cresceu entre 3% e 4% em relação a igual período, que antecedeu o Dia dos Namorados de 1999.Os shoppings estão satisfeitos com o desempenho obtido até agora. A rede Plaza, por exemplo, que administra o West Plaza, o Paulista e o Plaza Sul, ampliou em 16% a receita entre os dias 1º e 12 de junho deste ano, em relação aos mesmos dias de 1999. A meta de crescimento era de 15% nesse período.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.