Helvio Romero/ESTADÃO/28/11/2016
Helvio Romero/ESTADÃO/28/11/2016

Crescimento brasileiro não vai mais ser à base de esteroides, diz Stuhlberger

Para o fundador da Verde Asset, 'depois da vala' que o País entrou será necessária uma reconstrução

Fernanda Guimarães e Karla Spotorno, O ESTADO DE S.PAULO

06 de julho de 2019 | 14h39

O fundador da Verde Asset, Luis Stuhlberger, disse que o crescimento da economia brasileira não será mais à base de "esteroides", como chamou a política passada na qual se uniu "dinheiro de governo, de fundos de pensão e de empreiteiras". O lado negativo, comentou, é que "depois da vala" que o País entrou será necessária uma reconstrução.

"Alguns drivers são muito relevantes, como o mercado de capitais, com a troca do BNDES pelo mercado de capitais", disse Stuhlberger, que participou na manhã deste sábado, 6,  de evento organizado pela XP Investimentos em São Paulo. Esse ciclo se tornará mais positivo, disse, com as taxas de juros caindo a 5%, na sua visão, após a aprovação da reforma da Previdência.

PIB decepciona

No entanto, depois do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro ter decepcionado no ano passado e na primeira metade deste ano, uma indicação é de que talvez o crescimento do PIB não ocorra mais conforme uma linearidade positiva. Stuhlberger afirmou que o consumo das famílias está crescendo 2,6% atualmente.

"Não é um número ruim, mas (poderia ser mais alto porque) os indicadores de poupança das famílias ainda estão extremamente conservadores", disse o gestor, citando que o indicador está em 11% atualmente e na média era em torno de 7%.

Sobre a reforma da Previdência, Stuhlberger disse que o andamento do tema caminhou muito além das expectativas. "É uma coisa extremamente positiva o Brasil sair de ser um País que tem explosão fiscal para um que entra na rota de ter responsabilidade", disse. Segundo ele, saindo a reforma, a sua percepção é muito otimista, porque o tamanho (da economia fiscal) deverá ser maior do que o previsto e diante da expectativa de que as próximas reformas sejam mais simples.

 

Notícias relacionadas
    Tudo o que sabemos sobre:
    previdência socialXP Investimentos

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.