Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Crescimento chinês precisa de novo impulso, diz FMI

A China estabilizou sua taxa de crescimento ao redor de 7,4%, mas precisa enfrentar o desafio de encontrar um novo motor de crescimento e reduzir a dependência do mercado imobiliário, afirmou o diretor do Fundo Monetário Internacional (FMI) Zhu Min, após um fórum econômico.

Estadão Conteúdo

10 de setembro de 2014 | 06h45

"A China tem se amparado muito fortemente no desempenho do mercado imobiliário para o crescimento e uma correção no preço das casas é inevitável", disse. "A questão agora é se isso pode ser substituído por outra motor de crescimento, como os serviços ou a proteção ambiental relacionada à indústria."

As autoridades chinesas devem adotar políticas mais balanceadas, ao invés de tomar medidas agressivas, para sustentar o crescimento no longo prazo, acrescentou. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
FMIchinacrescimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.