Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Crescimento das despesas obrigatórias ‘pagaria’ até nove anos de Bolsa Família

Em 2020, as gastos obrigatórios vão atingir 93% do Orçamento, segundo estimativas da equipe econômica

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2019 | 05h24

BRASÍLIA - O crescimento das chamadas despesas obrigatórias, aquelas que o governo não pode deixar de pagar, vai superar o avanço do teto de gastos até 2020. De 2016, quando foi criada a regra que impede que as despesas cresçam em ritmo superior à inflação, até o ano que vem, essas despesas vão avançar R$ 266,2 bilhões, de acordo com previsão da equipe econômica obtida pelo Estadão/Broadcast

O aumento nos gastos obrigatórios daria para pagar nove anos do programa Bolsa Família. A explosão dessas despesas, que incluem os salários dos servidores e aposentadorias, comprime o espaço para os outros tipos de gastos, como investimentos e recursos para bolsas de estudo, por exemplo. 

Com o avanço, as despesas obrigatórias vão atingir 93% do Orçamento em 2020. Na direção oposta, as despesas com custeio e investimentos, chamadas de discricionárias, cairão R$ 35,9 bilhões no período.

De 2016 a 2020, as despesas com o pagamento de pessoal sairão R$ 257,87 bilhões para R$ 336,62 bilhões, uma diferença de R$ 78,75 bilhões. Com isso, os gastos com a folha estão consumindo uma fatia maior no orçamento, de 22,75%. O valor é 2,1 pontos porcentuais maior que em 2016, quando estava em 20,64%. A proporção em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) também subiu de 4,1% para 4,5% no mesmo período.

Com a reforma da Previdência já perto de ser aprovada pelo Congresso, o governo quer atacar as despesas com pessoal, a segunda maior do Orçamento.

Uma proposta de reforma administrativa está em fase final de elaboração pela equipe econômica e tem apoio do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Ele defende, inclusive, alteração na estabilidade do servidor público no emprego (ou seja, permitir que os novos funcionários públicos sejam demitidos). Essa reforma, porém, é de iniciativa exclusiva do Executivo e não pode partir de um texto do Parlamento.

Os gastos com pessoal também são os principais alvos dos chamados “gatilhos”, medidas do ajuste fiscal, que o governo quer acionar mais rapidamente para frear o avanço das despesas obrigatórias. O principal instrumento seria a possibilidade de reduzir jornada e salário de servidores, medida que tem posição contrária no Supremo Tribunal Federal (STF).

A avaliação nos bastidores é que a aprovação da medida precisaria de amplo apoio, o que dificulta seu avanço no Congresso devido ao poder de pressão das categorias do funcionalismo. Por enquanto, só governadores e equipe econômica estão empenhados na tarefa.

Pelos dados do governo, a fatia das despesas previdenciárias dentro do teto avançará 5,5 pontos porcentuais no período de 2016 a 2020, pulando de 40,6% para 46,1%. No período, passam de R$ 507,87 bilhões para R$ 682,68 bilhões. Essas despesas o governo começou a atacar com a reforma da Previdência, mas ainda vê a necessidade de complementar o ajuste com a tentativa de restringir a correção automática pela inflação. 

Os dados do governo, produzidos com base em informações do Tesouro e na proposta de Orçamento de 2020, mostram um preocupante aumento dos gastos com o pagamento de sentenças judiciais e precatórios (pagamentos devidos pela União após sentença definitiva), que aumentarão no período R$ 13,9 bilhões, sem contar os relacionados à Previdência e salários de servidores.

Nesse caso, os gastos aumentarão R$ 22 bilhões , valor que assusta a área econômica pelo impacto e pelo “ativismo” do Judiciário nessas questões. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.