Crescimento das exportações em 2005 será menor do que neste ano

O ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, disse hoje que haverá uma queda do ritmo de crescimento das exportações brasileiras em 2005, quando a taxa de aumento deverá ficar entre 6% e 7%, ante 30% do crescimento das exportações deste ano, na comparação com 2003. Segundo ele, o governo ainda está trabalhando com uma meta de exportações de US$ 100 bilhões em 2005, o que significaria antecipar em um ano a meta fixada para 2006. "Sem dúvida que ocorrerá uma desaceleração no próximo ano, pois neste ano, além do crescimento físico, o Brasil teve um bônus: preços internacionais favoráveis, tanto na área de commodities agrícolas, como na de petroquímicos, e outros setores como o de aço. No setor agrícola os preços já voltaram à normalidade, com as cotações já em linha com o histórico dos últimos 10 a 15 anos", afirmou Furlan. Ele disse que será normal ocorrer uma perda de velocidade nas exportações em 2005, por conta de um crescimento mundial menos intenso e, somado a isso, uma demanda maior do mercado doméstico, o que provoca um rearranjo na direção da produção das empresas. Segundo o ministro, se o Brasil conseguir que o volume de exportações cresça 10% em 2005 "já seria bastante satisfatório".Furlan acredita que a economia brasileira crescerá este ano ao redor de 5%, mas reconheceu que é uma projeção um pouco acima do que muitos analistas do mercado prevêem. O ministro afirmou que, além de as exportações continuarem em crescimento, a demanda doméstica está crescendo, compensando alguma desaceleração no ritmo de aumento das exportações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.